Paulo César Norões: paciência e jogo de cintura