Paulo César Norões: ninguém se julga suspeito