Paulo Cesar Norões: Meio cheio ou meio vazio?