Paulo César Norões: fim do protagonismo?