Paulo Cesar Norões: Calvário interminável