Paulo Cesar Norões: Autocrítica em boa hora