Paulo César Norões: A virulência impera