Justiça quebra sigilo de celulares e notebook de agressor de Bolsonaro

Nos últimos 15 anos, Adélio Oliveira passou por 39 empresas distintas, com salários baixos