Houve ameaças de morte antes dos tiros, diz advogada ferida em acampamento pró-Lula

Segundo Koakoski, por volta de 2h da madrugada, os acampados ouviram gritos de ameaça e fogos foram usados pelos vigias do local para espantar o grupo de pessoas de fora