Editorial: Um mal antigo persiste