Editorial: Redefinir o fazer político