Egídio Serpa: Agronegócio, pés no chão com otimismo