Egídio Serpa: Agronegócio, a feliz decisão