Egídio Serpa: A hora de reconciliação