Egídio Serpa: Sai a rosa, entra pimentão