Egídio Serpa: S. Francisco: quem pagará?