Egídio Serpa: Perpetuação da mesmice