Egídio Serpa: Honório e o salto da CNDL