Egídio Serpa: A greve, as aves e os ovos