Papa muda doutrina e pena de morte passa a ser inadmissível

Desde o papa João Paulo II, morto em 2005, a Igreja Católica já vinha restringindo o apoio a prática e Francisco já tinha condenado seu uso publicamente