Tom Barros: Ceará, novamente