O samba jovem do Quarteto em Cy

Dois discos do grupo que haviam sido lançados somente nos EUA ganham reedição especial para o Brasil

Embaladas pelo sucesso da bossa nova no mercado norte-americano e pela promissora carreira no Brasil, o grupo vocal "The Grils From Bahia" lançara em 1967 e 1968, respectivamente, os Lps "Pardon My English" e "Revolución con Brasilia!", trazendo versões em inglês de sucessos brasileiros como "Berimbau", "A Banda", "Canto de Ossanha" e outros norte-americanos, com letras traduzidas para o português, como "Oh Susannah" e "Manhattan".

Atingindo relativo sucesso, o quarteto se desfez em 1970, quando preparava o terceiro disco "Carrousel", que nunca chegou a ser lançado. Para quem não conhece o trabalho das "meninas da Bahia", basta saber que em terras brasileiras elas atendem pelo nome de "Quarteto em Cy". O grupo se reestruturou em 1972, mas jamais haviam editado versões dos álbuns no Brasil.

A reedição é do selo Discobertas e traz versão remasterizada e ampliada com faixas bônus, com reproduções do encarte original, ficha técnica e textos de apresentação da época, em inglês. Os discos originais foram lançados pela Warner Music e tem produção executiva de Ray Gilbert e Aloysio de Oliveira. Os arranjos são do compositor e produtor musical Oscar Castro Neves.

A versão norte-americana do Quarteto em Cy - pode-se supor - remete a dois sucessos conhecidos do público dos EUA na época. A música "Garota de Ipanema" (versão em inglês "The Girl From Ipanema"), que estourou naquela década, regravada por diversos artistas como Stan Getz e Frank Sinatra; e a figura da baiana, difundida pelo personagem encarnado pela pequena notável Carmen Miranda, que fez fama nos Estanos Unidos entre as décadas de 1930 e 1950 lançando a música "O que é que a baiana tem", de Dorival Caymmi. A estreia do Quarteto em Cy nos Estados Unidos, em 1965, também teve o dedo de Dorival, participando de seu disco "Caymmi - with The Girls From Bahia", que no Brasil foi editado em 1967 apenas como "Caymmi".

Nova bossa

Os discos documentam uma passagem conturbada e importante da música brasileira. Em sua contracapa original, "Pardon My English" traz apresentação onde se refere ao Quarteto em Cy como os Beatles do Brasil. "They are that big", exclama. No repertório, estão músicas de compositores de sucesso nos Estados Unidos na época como Marcos Valle, Tom Jobim e os próprios Oscar Castro Neves e Aloysio de Oliveira.

Em outra pérola do encarte, destacava-se a versão em inglês destes compositores e o fato das cantoras terem aprendido as letras foneticamente. Anuncia-se ainda músicas arranjadas sob uma nova estética musical do Brasil que sucederia a Bossa Nova, chamada de "Samba Jovem".

A novidade, na época, fruto da rixa entre os artistas da bossa nova e da jovem guarda, juntava Erasmo Carlos com Jorge Ben, Wilson Simonal, Carlos Imperial, Pery Ribeiro e Bossa Três, propondo uma mistura do Iê iê iê com a Bossa Nova.

Em definição de Erasmo: "usando na bateria a batida do samba e utilizando guitarras com marcação do iê iê iê, o novo ritmo é dinâmico, moderno e acessível. As letras, por sua vez, não conterão mensagens; abordarão temas ao alcance até mesmo do público mais infantil. Coisa leve, gostosa, muito ritmada".

O fim da carreira internacional do Quarteto em Cy, formado inicialmente pelas irmãs Cyva, Cybele, Cylene e Cynara, naturais de Ibirataia (BA), se deu por uma desestruturação interna do grupo. Cylene sai ainda em 1966, substituída por Regina Werneck (rebatizada de Cyregina). Em 1967, após o uma série de apresentações nos Estados Unidos e da gravação do Lp "Revolución con Brasília!", o quarteto perde ainda Cybele e Cynara, substituídas por Semíramis e Sonya.

A dificuldade em manter a formação implicou em outras substituições que culminou com a interrupção das atividades em 1970. O grupo só seria retomado em 1972, com o retorno de Cynara, cantando ao lado de sua irmã Cyva, Sonya e Dorinha Tapajós. A formação atual foi definida em 1980, com a saída de Dorinha e volta de Cybele.

Repertório

Em "Pardon My English", o Quarteto em Cy lança para o público americano versões reescritas e rebatizadas por Ray Gilbert. "Samba Torto", de Tom Jobim e Aloysio de Oliveira dá título ao disco, assumindo o novo nome na faixa de abertura. Também da dupla, entra a música "Useless Landscape" (Inútil Paisagem). Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle entram com "Surf in Rio" (Vamos Pranchar) e "The Face I Love" (Seu Encanto).

Versões

Entre as que fazem o caminho inverso, destaque para a cantiga americana de domínio público "Oh Suzannah", que ganha versão samba e tem parte da letra em português; e "Makin´ Whoopee", de Walter Donaldson e Gus Kahn. "Berimbau", de Baden Powell e Vinicius de Moraes, e "I live to love" (Morrer de Amor), de Oscar Castro Neves e Luvercy Fiorini entram na reedição do disco como faixas bônus.

Elas estão ainda no repertório original do disco "Revolución con Brasília", em versões diferentes. Este segundo disco traz ainda Chico Buarque, com "Tem Mais Samba" e "Parade" (A Banda); Edu Lobo, com Laia Ladaia (Reza) Billy Blanco, com "Road to Nowhere" (Estrada do Nada) e, novamente, a dupla Tom Jobim e Aloysio de Oliveira, com "Dindi". Um balaio da boa música brasileira, mesmo que um tanto quanto americanizada.

MÚSICA

Pardon my English
GIRLS FROM BAHIA
DISCOBERTAS
2012, 15 faixas
R$ 17,90

Revolucion con Brasilia!
Girls from Bahia
Discobertas
2012, 13 faixas
R$ 17,90

FÁBIO MARQUES
REPÓRTER