Filosofia do Zeca no bar

Apesar de ser mais conhecido como cantor e compositor, o artista Zeca Baleiro também escreve sua filosofia de vida em blog e livros. Os mais recentes são "Vida é um Souvenir Made in Hong Kong - Livro de Canções" e "Bala na agulha"

Lá se vão 13 anos desde que o maranhense Zeca Baleiro disponibilizou para seus admiradores, em 1997, o seu CD de estreia, o álbum "Por onde andará Stephen Fry". Este ano, o cantor, compositor, músico, ator, escritor e agora também dramaturgo maranhense Zeca Baleiro lança uma caixa reunindo seus trabalhos em diversas linguagens, realizados ao longo da década. O material é farto e inclui dois CDs: "Trilhas" e "Concerto".

Ali também se encontra o Baleiro escritor. Os livros são "Bala na agulha: reflexões de boteco, pastéis de memória e outras frituras)" e "Vida é um Souvenir Made in Hong Kong - Livro de Canções". Já a primeira incursão pelo teatro se dá no espetáculo infanto-juvenil "Quem tem medo de Curupira ?".

Crônicas

A publicação "Bala na agulha" arregimenta temáticas das mais diversas que vão desde escritos sobre literatura, comportamento, cinema, religião e gastronomia, além, é claro, música e lembranças dos tempos de quando Zeca era criança e adolescente. O livro também reserva espaço, em dois capítulos, para os pequenos poemas e textos com críticas ao consumismo da atual sociedade mercadológica.

No capítulo "Bestiário pós-moderno", uma coleção de picles que ilustram uma espécie de dicionário com acróstico dedicados para cada letra do alfabeto. Na letra C, por exemplo, o furor do artista contra o crítico é sintetizado em uma definição irônica: "Entidade mágica e superior dotada de hábitos parasitas. Capaz de resenhar discos de música sem que saiba assoviar ´Atirei o pau no gato´ afinadamente e resenhar filmes de Bergman sem que não tenha feito uma foto sequer, mesmo que num celular".

Textos

Tais quais as mensagens de suas criativas composições, as quais, na maioria de sua vasta obra incluída em onze CDs, seis DVDs e criações para cinema, teatro e dança, Zeca Baleiro em "Bala na agulha" revela agora com criatividade a sua nova atividade que o credenciou também a ser colunista da Revista Isto É e apresentar também o programa "Biotônico", na Rádio UOL, este em parceria com os amigos jornalistas Celso Borges e Otávio Rodrigues.

Livro

Bala na agulha
Zeca Baleiro

Ponto de Bala
2010
230 páginas
R$ 25

Trecho do livro

"Em novembro fui a Fortaleza assistir, no belo Cine-Teatro São Luiz, no centro da cidade, a um show de Waldick Soriano. O show é parte de um projeto capitaneado pela atriz Patrícia Pillar, que inclui documentário sobre a vida e a obra do artista mais CD e DVD da referida apresentação... O teatro é na verdade um antigo cinema com poltronas vermelhas bem ao gosto dos cinemas do passado, com detalhes em madeira nas paredes e uma atmosfera que remete aos anos dourados com seus baiões homéricos.

Havia, nessa noite, uma parte do teatro sem cadeiras, ao modo de uma gafieira, onde as pessoas poderiam dançar à vontade... Então entrou uma superbanda, formada por músicos de estirpe como Jota Moraes, Jorge Hélder e Chacal, todos sob o comando do tarimbado produtor cearense José Milton".

NELSON AUGUSTO
REPÓRTER