Arte Cearense

Pintura de Estrigas

Sem Título

Nilo de Brito Firmeza ou, simplesmente, Estrigas, nasceu em Fortaleza, tendo se dedicado, com muita intensidade, às artes plásticas. Uma de suas singularidades se concentra no na harmonia entre os traços e as cores, uma vez que estabelecem entre si uma cumplicidade

 

Poemas de Luiz Itamar Pessoa

A boca da musa

Roberta, menina, és musa, bela, formosa

Por favor, não esconda seus encantos

Nada custa isto fazer, já que tens tantos

Mormente a boca, em ti tão charmosa.

Roberta, menina d'uma beleza especial

Trazendo consigo um olhar sedutor

Que se abanda a um corpo escultural

Do seu falar, em nada vou'me expressar

Como posso fazê-lo, se nunca tive o agrado

Se, nem de relance, da sua voz ouvir algo?

Roberta, garota atinada, menina arguta

Qu'além desses predicados, também é culta,

Te peço, te rogo, nunca deixes encoberta

Essa sua linda boca, menina, Roberta.


Platônico amor

Quão penoso d'alguém muito se gostar

Mesmo isso sendo assaz demonstrado

E desse platônico amor, tão almejado

Sequer receber um tênue e parco olhar.

Essa mulher fascinante sempre m'excitando

Tanto me provocando, e também me irritando,

Me levando ao delírio para tê-la ao meu lado

Que platônico amor é esse, que a mim me faz sofrer?

Que sempre minh'alma atiça, e meu desejo estonteia,

Que espero vir de ti e qual a luz solar, tão só m'encandeia

Em qualquer hora sempre estou a vê-la

Na minha frente, ou em minha moradia

No limiar d'alvorecer, ou ao findar o dia

Por que será, qu'eu não consigo esquecê-la?


O presente do poeta

É, pois nessa noite de luzes e festejos

Data magna dedicada ao nascer do salvador

Onde todos se alegram com os folguedos

Em que existem manifestações de fraternidade

Ocasião que sobejam mensagens de felicidades

Estimulando o que de bom aflora na humanidade

Eis que em mais um ano, surge a noite natalina,

Sempre esfuziante efeméride, lembrando a rotina,Encontrando-se o poeta, mais uma vez solitário,

No gargalo, seu presente, um simples relicário.

Oráculo sagrado que seus segredos guarda,

E lhe ensina a senda p'ra encontrar a amada

E, assim, junto a ela, canções natalinas a escutar

Nesse lusco-fusco, a vontade, ficarem a se amar.


Minha vida

Eu me considero, um homem de sorte

Tanto assim, que meu nome é Itamar

Aquele que aprendeu amar

Todas as boas coisas da vida

Uma gostosa bebida, u'a bem rimada poesia

Uma bela mulher, que me ame com enforia

Que me ajude a decifrar qualquer enigma

Através d'um bem armado paradigma

Pra saber qual trilha deva seguir

Quando dessa esfera partir

São atribulações ou meras simulações?

Quaisquer que sejam as razões,

Que sirvam de respostas a tais indagações

A mim não me compete auferir as precisas conclusões.