Arte cearense

Ler

Escultura de Jane Sandes

Sem título

Esta obra de Jane Lane Sandes integrou a exposição "Metamorfosis". A artista plástica tem como marca a inquietação ante a criação; desse modo, percorre múltiplos caminhos, em diversos gêneros - num busca permanente pela expressão do novo.

Poemas de Otacílio Colares

O reencontro

A Poesia chegou, tenho-a comigo,

Não sei por quanto tempo, mas presença

Tão forte e decisiva qual sentença,

E estou feliz de tê-/a como abrigo.

Agora, é ver acaso se consigo,

Eu que por seu amor me faço crença,

Achar o meio ideal pelo qual vença

Do desencanto o incómodo inimigo.

- Onde os anjos de outrora? A Poesia,

Inefável mas forte, se apodera,

Nas fibras do meu ser, do mais profundo.

-E o amor? e o sonho? e as ilusões?

E o dia de amanhã, onde estão? E essa quimera

Com que eu partira, a conquistar o mundo?

Faunesca

Na aspereza da relva e à carícia do vento,

Ao teu quisera unir o meu corpo em delírio,

Librando a carne em febre ao lôbrego martírio

E erguendo para os céus a luz do pensamento.

Seria amor pagão mas de pecado isento

- no altar de almas irmãs edificante círio -

Sem sombra a macular a limpidez do lírio

Que o cálice abriria ao frio do relento.

Haveria o silêncio apenas harpejado

Pelo arfar do teu seio em timidez na oferta

Do a/mo filtro a enrijar o a/vi-rosado seio.

E haveria, depois, no côncavo estrelado

Um bemol de acalanto, uma canção incerta,

A berçar docemente a vida que não veio

Soneto em tons menores

Possam outros gozar tranqüilidade

Mais do que nós e mesmo da riqueza

Fruir delícias, na insinceridade

Dos bens terrenos, com maior largueza.

Possam alguns, em triste fatuidade,

Julgar-se donos de imortal grandeza,

Tomando o quanto pela qualidade

Ou o que é simples disfarce por beleza.

Aqui por onde estamos ficaremos:

Nem de todo enganados nem sofridos

Demais, antes, com o quanto merecemos.

Para que em nós os dias já vividos,

Não sendo inferno a que nos condenemos,

Também não sejam céus imerecidos ...

Soneto à antiga

Perdoai-me, senhora, se, rendido

Aos estranhos encantos de outra dona,

Meu coração do vosso distraído

Por outra no momento se apaixona.

Ah! não me houvésseis vós apetecido

E do meu ser feito chegar à tona

Um mundo estranho, há muito convertido

Em cinza que se esmói e se abandona,

Não seria de mim que recebêsseis,

Agora, a breve nênia comovida

De quem parte ao deixar alguém chorando.

Pois fostes vós - quisera me entendêsseis: -

Que o morto amor em mim ressuscitando,

Vos tornastes um ponto de partida ...
 

Sobre o autor

 

Otacílio Colares, além de grande poeta, tornou-se popular pelo cultivo do gênero crônica.