Híbrido

Corpo Delito: Aprisionado do lado de fora

"Corpo Delito" mistura recursos de documentário e de ficção
00:00 · 07.12.2017

Dirigido pelo realizador cearense Pedro Rocha, "Corpo Delito" é um filme híbrido, ou seja, que mistura elementos do documentário e da ficção. O longa acompanha a história de Ivan (Ivan Silva), de 30 anos, que acaba de sair da cadeia depois de cumprir uma pena de oito anos.

De volta ao convívio da esposa, Gleice (Gleiciane Gomes), e a filha, Glenda, ele ganha a chance de retomar a sua rotina aos poucos, já que está em regime de liberdade condicional e sendo vigiado por uma tornozeleira eletrônica, que o proibe de ter uma vida noturna e de fazer trajetos não autorizados pela justiça.

À medida que o tempo passa, Ivan se incomoda com a liberdade limitada e oscila constantemente entre o dever de ficar em casa e o desejo de ganhar as ruas. As lembranças da juventude aventureira ganham ainda mais força com a presença de Neto, um jovem de 18 anos que leva a mesma vida que de Ivan, antes do seu encarceiramento.

Ivan ainda é atraído pelas festas e pelas aventuras da cidade, mas também sabe que violar a lei tem um preço alto. "A estética adotada tenta potencializar a experiência de encontro do espectador com o protagonista - um homem com um passado criminoso sobre quem todos formularão opiniões e julgamentos, ao mesmo tempo em que descobrirão que o desconhecem profundamente", afirma o diretor.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.