Coluna

Zunzunzum: Destaque na tela

00:00 · 06.07.2018 por Rodrigo Salem - Folhapress

Homem-Formiga e a Vespa, que já está no cinema, pode parecer mais uma vitória fácil da Marvel nas bilheterias, mas não é bem assim. Afinal, o filme de Peyton Reed é a sequência de “Homem-Formiga” (2015), que está entre os três longas que menos renderam ao estúdio americano de super-heróis.

Os US$ 180 milhões (R$ 704 milhões em valores atuais) arrecadados nos EUA pelo original, sobre um ladrão que usa um traje com poderes de encolhimento e força, dificilmente renderia sequências.

Mas “Homem-Formiga e a Vespa” se tornou uma ótima oportunidade para a Marvel atender ao público feminino com mais carinho: é o primeiro filme do estúdio em que uma heroína ganha o mesmo destaque do herói, tanto na trama, quanto na promoção.

“Sempre soubemos que o filme seguinte seria ‘Homem-Formiga e a Vespa’ e que ela usaria o uniforme”, diz Kevin Feige, presidente da Marvel Studios, em entrevista a jornalistas estrangeiros em Pasadena, no condado de Los Angeles. Mas a trajetória por pouco não foi diferente. 

O plano da Marvel era apresentar a personagem em “Capitão América: Guerra Civil”, de 2016, que uniu a maioria dos heróis do estúdio, inclusive o Homem-Formiga. Peyton Reed bateu o pé e conseguiu evitar que a Vespa fosse apresentada de modo atropelado na trama.

A atriz Evangeline Lilly (“Lost”), que vive a personagem Hope van Dyne, disse ter sido avisada por telefone da exclusão do filme, e que não era para se ofender. 

“Então, me falaram que gostariam de dedicar um filme inteiro para apresentar a heroína. Não queriam que fosse apenas uma participação especial. Foi empolgante para mim, mas não sabia que dividiria o título do projeto”. 

A sequência chega aos cinemas cerca de dois meses após “Vingadores: Guerra Infinita”, longa que marcou os dez anos da Marvel e mudou radicalmente o status quo de vários heróis. Em uma década, o estúdio arrecadou US$ 7,2 bilhões (R$ 28 bilhões em valores corrigidos), uma média por filme de US$ 378 milhões (equivalente a R$ 1,5 bilhão).

No longa que fechou o ciclo, tanto a Vespa quanto o Homem-Formiga não fizeram parte do evento, para surpresa dos fãs. A explicação está nesta continuação, passada em paralelo à “Guerra Infinita”.

Movidos pela ideia de que o filme revele algo para o futuro da Marvel após o trágico “Guerra Infinita”, os fãs devem mudar a trajetória do longa. “Como e onde elas aparecerão a curto e longo prazo, só o futuro dirá”, provoca o produtor Kevin Feige.Priscila Fantin e o namorado Bruno Lopes apresentam peça de teatro em Maputo, Capital de Moçambique

1 milhão de dólares

Será a quantia doada pelo cantor Brandon Urie, da banda Panic! At the Disco, à GLSEN (Gay, Lesbian and Straight Education Network). A instituição norte-americana fornece treinamento e apoio a estudantes que fazem parte da comunidade LGBTQ+

"Meu pai era machista", diz Carlinhos de Jesus ao lembrar preconceito quando iniciou na mundo da dança

Monica Iozzi, que ganhou o nome por conta da célebre personagem em Quadrinhos do Maurício de Souza, irá interpretar no cinema a mãe da personagem. O "Turma da Mônica - Laços", que tem direção de Daniel Rezende, estreia em 2019, mas ainda não tem data definida

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.