coluna

Zunzunzum — Caio Blat: uma jornada intensa

00:00 · 03.01.2018
Caio Blat com o figurino de "Deus Salve o Rei" ( Foto: Sergio Zalis/Globo )

Janeiro será um mês atípico para Caio Blat. Prestes a entrar no ar na novela Deus Salve o Rei, da Globo, e a iniciar a temporada carioca do espetáculo Grande Sertão: Veredas, ele chega a mais de 200 países com a série McMafia, produção da rede britânica BBC que será distribuída para todo o mundo por meio da plataforma de streaming Amazon Prime Vídeo.

Como você chegou à BBC?

Foram eles que chegaram em mim. Logo depois que acabou Liberdade, Liberdade (2016), recebi o convite para ir a Londres fazer essa série. E foi incrível porque é um projeto imenso, com atores do mundo todo e é meu primeiro trabalho internacional em inglês. É uma série que mostra a globalização da máfia. O meu personagem, que é o chefe da máfia mexicana e o único latino, precisa aumentar seu produto e levar dinheiro para a Europa, e o protagonista acaba trabalhando para mim.

Sentiu muita diferença em relação ao método da TV brasileira?

Eles ficam muito impressionados em como a gente consegue fazer tantos episódios e com tanta qualidade no nosso sistema de produção. A gente levou um ano inteiro para fazer os oito episódios de McMafia. É uma produção gigante, e existe orçamento gigante.

E a questão do idioma?

Eu estudo inglês desde pequeno, então eu tinha bastante base, só precisei praticar. Contratei um professor no Rio, ensaiei bastante. No set, eles pegaram muito no meu pé. Mesmo com o meu personagem sendo latino, eles exigem muita clareza e limpeza no sotaque. É uma coisa muito importante, o mercado está aberto e os brasileiros precisam estudar cada vez mais para estarem prontos para os trabalhos que pintarem.

Na semana que vem, você estreia como o cavaleiro Cássio em 'Deus Salve o Rei'. Fale um pouco sobre esse personagem.

Nesse princípio ele está muito ligado à defesa da coroa. Ele é o chefe da guarda do rei e é como se fosse o general do exército. É o conselheiro, amigo da família real, e o chefe da guarda.

Como foi a preparação?

Longa. Cerca de dois meses. Fiz aulas de lutas que foram muito pesadas, tive que treinar com equipamentos, armas e em cima de cavalos, com lanças, e tivemos que ensaiar todas as coreografias. O mais legal foi trabalhar com o elenco para construir esse reino imaginário, todos agem da mesma maneira, e isso é importante para que haja uma coerência naquele reino.

Sua armadura pesa muito?

Muito. Outro dia tentamos avaliar e deu algo em torno de 15 kg e 20 kg, e a espada pesa 5 kg. É bem pesado.

Tem feito mais exercícios do que antes?

Faço uma peça de teatro que é muito física, Grande Sertão: Veredas, que reestreio em janeiro. Comecei a gravar a novela enquanto estava em cartaz. Isso já me dá um preparo físico muito forte porque a peça dura três horas. O teatro me dá o preparo para aguentar a jornada do estúdio.

*As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Barack Obama escolheu a música "Mi Gente", de J Balvin & Willy William, como a melhor de 2017

1,26

Bilhão de dólares. Foi a bilheteria total de "A Bela e a Fera" (2017), versão live-action do clássico da Disney. A obra se estabeleceu como a maior bilheteria do mundo no ano passado. Em seguida aparecem "Velozes e Furiosos 8" e "Star Wars: Os Último Jedi"

"Às vezes me sentia uma bruxa no estúdio", Lorde sobre as gravações do álbum "Melodrama"

Apoio

 

Criadora das séries "Grey's Anatomy" e "Scandal", Shonda Rhimes é uma das 300 integrantes do"Time's Up", grupo criado para combater o assédio sexual na indústria do entretenimento. O grupo é formado por atrizes, roteiristas e executivas de Hollywood

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.