coluna

Puxa o Fole: jovem talento

00:00 · 01.09.2018
Maria Clara não queria cantar sertanejo. Após conhecer o trabalho de Marília Mendonça, ela mudou de opinião ( Foto: Natinho Rodrigues )

Recém-chegada na maioridade, Maria Clara já é cotada por reconhecidos artistas para duetos. Defensora do forró, a pernambucana fala sobre carreira e inspirações

Ela começou na música aos 14 anos. De voz forte, a cantora Maria Clara tem timbre marcante. A pernambucana não nega semelhanças com a sertaneja Marília Mendonça, mas busca uma identidade no meio forrozeiro. O gosto por cantar surgiu logo após os primeiros acordes do violão, mas sem pretensão nenhuma de fazer apresentações. Aos 18, Maria já foi convidada por diversos nomes do gênero para participar de DVDs em duetos.

"A música começou muito cedo na minha vida. Com quatro anos, queria pegar o violão da minha avó e ela não deixava com medo que eu quebrasse. Meu padrasto, que chamo até hoje de pai, me deu um violão. Com sete anos, já tocava até melhor que minha própria avó. Aos nove, comecei a cantar na Escola e na Igreja. Com 14, quis montar uma banda de forró, porque é o estilo nordestino. Veio na veia por mais que existam pessoas do Nordeste que não queiram aceitar o ritmo", reflete.

Inicialmente, Maria Clara se negava a cantar sertanejo, mas tudo mudou ao conhecer o trabalho de Marília Mendonça. "Não queria ir para o sertanejo de jeito nenhum, mas aí surgiu a Marília. A galera começou a comparar nossas vozes. Ela sempre foi uma grande inspiração. Amo as composições, voz e o jeito dela de ser. Ela passa uma verdade muito grande. Só que qualquer artista quer passar a própria verdade e eu quero passar a minha, não uma imitação", diz.

De timbre forte, ela conta que o mercado acabou sendo atraído pela voz diferente. "Os empresários começaram a se interessar no meu trabalho. Viram no meu timbre uma oportunidade de ganhar dinheiro". A música "Tudo Que Eu Queria" foi a composição que lançou o nome dela ao mercado. A canção foi gravada com Avinne Vinne, em Fortaleza. O dueto ainda ganhou clipe em estúdio.

"Era uma música que eu não esperava nada. Gravamos praticamente um xote e rendeu mais de 11 milhões de acessos no YouTube".

Participações

Jonas Esticado, Gabriel Diniz, Matheus Fernandes e Zé Cantor são alguns dos nomes com quem ela já gravou músicas e participações em DVDs.

"Não vejo nada demais em mim. Não sei, acho que eles não me enxergam como artista consolidada que vai trazer aquilo de bom pra eles. O Zé Cantor me deu a maior força. Foi muito bom. O projeto de Cavaleiros do Forró foi muito bom também".

Fortaleza

Com algumas vindas em Fortaleza, mas sem shows, Maria Clara conta que tem vontade de morar na Capital cearense. "Moro em Recife, mas não faço show lá. Pra mim, Fortaleza é o lugar onde saíram mais artistas do País. O lugar que as pessoas menos acreditavam. Primeiro foi com Wesley Safadão. Ele se tornou o maior do Brasil, sendo um nordestino. Depois vieram as Coleguinhas. Eles são exemplos de cantoras visionárias. Não adianta você só ter a voz, só ter o talento. É preciso ter visão. Aqui é o berço, o ponto de partida. É por isso que fico feliz quando venho, gosto da energia daqui. Se eu pudesse, moraria, mas infelizmente minhas empresárias e família são de Recife".

Com agenda de shows no Nordeste brasileiro, ela conta que ainda não penetrou Sergipe e Maranhão, mas que possui projeto para esses estados. Por fim, Maria diz que acredita no trabalho que faz, mas ainda precisa fortalecer o nome no meio. "Estou fazendo aos poucos o meu público. Deus me deu um dom e boas pessoas ao meu lado".

Mais...

Marília nos 27 cantos do País
 
O novo DVD de Marília Mendonça será diferente das demais produções. Ao invés de escolher uma cidade para a gravação, a cantora decidiu por 27 municípios, um em cada estado e no Distrito Federal. A primeira faixa de “Todos os Cantos” foi filmada na Praça do Relógio, em Belém, no Pará. A música, “Ciumenta”, já está disponível no YouTube. As apresentações serão “de surpresa”. 
 
 
Xand pela 1ª vez no Castelo
 
A banda Aviões se apresenta no Castelo Club, em Ubajara, no dia 19 de outubro. Os ingressos da festa já estão à venda, em pontos físicos e online (casteloclub.com.br). Os preços das entradas custam a partir de R$ 55. Ainda se apresentam as atrações Vintage Culture e Avine Vinny. 
 
 
Curtas do sertanejo

 

Rodrigo Marim gravou novo clipe em Cancún, no México. // Entre convidados, Luiza e Maurílio receberam Alcione e Gabriel Diniz para a gravação do DVD “Segunda Dose”. // Com programação de shows, a exposição agropecuária Camaru deve movimentar R$ 55 mi em Uberlândia, até o dia 9 de setembro.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.