coluna

Puxa o Fole: em expansão

00:00 · 28.07.2018

Após 12 anos de existência, escritório sertanejo abre primeira sede fora de Goiânia. Com Fortaleza escolhida para receber o projeto, tendência é que número de shows cresça na região. Novo festival Skuta já está confirmado

Pensado inicialmente para acontecer apenas uma vez por ano em São Paulo, o novo festival de música Skuta terá uma edição no Nordeste, em cidade ainda não confirmada. A vinda do novo projeto, que reuniu dez atrações em único dia no Allianz Parque, estádio do Palmeiras, é fruto da abertura do escritório Work Show Nordeste, em Fortaleza.

Lançado com coquetel no último dia 17, a seção do Ceará é a primeira que a marca - existente desde 2006 - abre fora de Goiânia e tem à frente os empresários Douglas Santos, Eberth Santos, Eugenio Parente e Fernando Parente, que dirigem a D&E Entretenimento e, junto a outros sócios, fazem parte da diretoria da 7tons Eventos.

"A gente já faz o Festeja Fortaleza, que é o evento maior da Work Show. Tivemos recorde de público com 55 mil pessoas no Castelão. Isso gerou credibilidade e aproximação com eles", conta Eugênio Parente ao Puxa o Fole. A ideia de ter base no Nordeste e promover a nova sociedade surgiu após o escritório sentir distanciamento da região, após redução do número de shows da empresa nos municípios.

Marília Mendonça, parte do casting da marca goiana, é uma artista que teve carreira impulsionada pelo Nordeste e que não mantém a média de shows que tinha na região nos últimos anos. Na agenda de julho, por exemplo, apenas 2 shows dos 17 marcados acontecem em cidades nordestinas. "Eu não nasci no Nordeste. Mas meu coração nasceu. Eu me apaixonei pela região antes mesmo de pisar o pé aqui. Não troco, não dou, não vendo o amor que tenho por vocês e que vocês têm por mim. Meu coração mora nessa terra e eu jamais vou abrir mão", declara a cantora.

E não para por aí. Marília rasga elogios aos fãs locais. "Sentia que o público nordestino era fiel. A mulher que deixa de comprar uma sandália, de fazer uma escova, para curtir o show. Comecei aqui, depois fui espalhando para as outras partes do País. Não consegui descer por um ano. Fiz cerca de 120 shows nessa terra", relembra a jovem.

Eugênio Parente
Eugênio Parente é um dos quatro empresários que comanda a Work Show Nordeste em Fortaleza (Foto: Lucas Ribeiro)

Forró

A dupla Henrique e Juliano, também representada pela Work Show, entende a boa sintonia com o forró nordestino como relevante marco na carreira da banda. "O Nordeste foi e continua sendo extremamente importante para nossa carreira. Algumas pessoas nos falavam que não teríamos aceitação na região por ser a terra do forró. Mas foi tudo ao contrário. O ritmo nos ajudou. E olha só, hoje o Nordeste é onde se concentra grande parte dos nossos fãs. Somos muito felizes por isso", avalia Henrique.

O irmão Juliano segue a mesma linha de raciocínio. "Isso que o Henrique falou é verdade. Nossas músicas entraram no repertório de bandas de forró conhecidas e isso ajudou bastante para que as pessoas passassem a nos conhecer. Depois disso, começamos um trabalho forte no Nordeste e passamos a fazer muitos shows na região", analisa o artista, lembrando também com entusiasmo da gravação de DVD em Recife.

"A gente tinha dúvidas da aceitação e, de repente, gravamos um DVD com sucesso absoluto de público. Temos muito amor e gratidão a esse povo que é especial", completa.

Logística

Apesar do potencial aumento da quantidade de eventos na Capital do Ceará e nas outras cidades nordestinas, Eugênio pontua que nada deve mudar na produção dos shows. "Não muda nada. Em Fortaleza, a 7Tons continua produzindo. Nas outras cidades, quem fazia continua fazendo. O que nós vamos fazer é captar mais contratantes e fazer um acompanhamento maior in loco. Vamos trabalhar mais os produtos nas cidades", explica o empresário, afirmando que conta hoje com três vans de divulgação rodando pela região.

"Nossa responsabilidade é colocar as músicas para tocar em rádio, posicionar as bandas em grandes eventos e fazer a distribuição de CDs para que o público receba informações novas para ter o desejo. E quando o produtor sente a vontade do público, ele vai contratar. Nosso papel é deixar o produto forte para que ele possa fazer o máximo de shows possível", pontua o empresário, que já acertou show de Marília Mendonça para o dia 30 de dezembro, em Maceió. "Onde tiver evento da Work Show no Nordeste vai ter produtor nosso". Na Capital do Ceará, a marca conta com sete colaboradores e utilizará a mesma estrutura física da D&E.

Artistas

Além dos nomes já citados, hoje, o casting do escritório conta com os sertanejos Maiara e Maraisa, Zé Neto e Cristiano, Naiara Azevedo, Marcos e Belluti, Jads e Jadson, Kleo Dibah, Breno e Caio César, Luiza e Maurílio e, com contrato assinado nesta semana, Diego e Victor Hugo. Léo Santana, da swingueira, completa a equipe.

Eugênio conta que a seção nordestina também participará da captação de talentos para o casting da Work Show, que ainda não conta com artistas locais, ao contrário da concorrente AudioMix, também goiana e com sede no Nordeste (Recife) desde 2017, que tem no casting o fortalezense Wesley Safadão e o juazeirense Jonas Esticado, além dos radicados Xand Avião (RN) e Simone e Simaria (BA).

"A gente tendo um produto bom que se encaixe com o perfil, ele será incluindo", conta Eugênio.

O grupo cearense, inclusive, foi quem impulsionou a ida de Léo Santana para a Work Show, após boa participação no Festeja.

Lastro

Questionado sobre a vida útil do sertanejo, o sócio acredita que o ritmo ainda tem muito a ser explorado, e credita a provável vida longa ao profissionalismo do trabalho que é desenvolvido no meio. "O sertanejo está na linha profissional, não são engessados como o pop/rock era na época (que estava no auge) e que teve uma queda. O sertanejo se adapta 100% a outros ritmos, inclusive".

Quanto às mudanças que o mercado impôs aos eventos, Eugênio afirma que promover novidades é obrigação. "Se você contratar uma banda e colocar apenas um palco, uma hora cansa. Eu acho que mudou muita essa questão da estrutura. Todas as festas que fazem mais sucesso no Brasil oferecem um diferencial. Tem que ter tema, algo que chame atenção. Quando você vai no show hoje, você só não tem o cantor, tem a tenda com o DJ, um parque de diversões, praça de alimentação... O espetinho não resolve mais", garante em analogia.

Sobre a cobrança de ingressos diferenciada para homens e mulheres, Eugênio é enfático ao dizer que a prática não faz parte dos shows promovidos pelas empresas nas quais é sócio. "Hoje já é proibido por lei. E a gente nunca trabalha nesse perfil, sempre trabalhamos com um tipo de ingresso".

Mais

Turnê sertaneja

Gusttavo Lima

O cantor Gusttavo Lima irá realizar a primeira turnê internacional de 2018. Intitulada por “USA Tour” inclui na programação as cidades de Deerfield (FL), Newark (NJ) e Boston (MA). As apresentações acontecem, respectivamente, no dias 17, 18 e 19 de agosto. O primeiro trabalho do cantor no exterior foi em 2012. O show aconteceu em Zurique. 

Em menos de uma semana

Mal terminou a Expocrato 2018 e o cantor Luan Santana e a dupla Matheus e Kauan já retornaram ao Ceará. Os sertanejos são atrações do Camarote Mucuripe no Fortal. O cantor Gustavo Mioto também surpreende com quatro shows em menos de seis meses. 

Felipão lança camarote

Felipão

O forrozeiro Felipão inaugurou um camarote no Fortal desse ano. Ao Puxa o Fole, o cantor revelou que antes da fama não tinha dinheiro para curtir o evento. “Hoje, posso levar amigos e familiares. Devo muito ao trabalho e aos meus patrocinadores de carreira”, disse o artista.

Quarta vez sem Simaria no CE

A cantora Simone subiu pela quarta vez sozinha em um palco no Ceará. Esse ano, ela cantou no Garota VIP, São João de Fortaleza, Expocrato e, por último, no Camarote Mucuripe no Fortal. Simaria retornará aos palcos no dia 9 de agosto, com show em São Paulo. 

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.