coluna

Lígia Nottingham — NYFW: Novos tempos

Lígia Nottingham

ligia@ligian.com.br

00:00 · 15.02.2018

Enquanto o Brasil vivia dias de pré-Carnaval, em Nova York o foco era a fashion week, que começou no último dia 7 de fevereiro o que seria a temporada Outono/Inverno 2018, se é que ainda podemos chamá-la assim.

A cidade mais populosa dos Estados Unidos é a primeira no tradicional calendário da moda prêt-a-porter a dar o start aos lançamentos, seguida por Londres, Milão e Paris.

Mas os formatos de apresentações estão mudando em todo o mundo, pois a moda acabou por atropelar seu próprio tempo.

No início, os desfiles eram feitos para jornalistas e representantes com a função de mostrar antecipadamente a coleção que, em cerca de seis meses, chegaria às vitrines. Com a divulgação dos desfiles e a velocidade de produção das lojas de departamento, o que era visto na passarela passou a ser desejado de imediato e os consumidores não queriam mais esperar um semestre para usar o look que acabaram de ver.

Chegou-se a discutir sobre a questão de lançar inverno em pleno verão e vice-versa. O boom dessa aceleração desenfreada foi a chegada das blogueiras que usavam os looks de passarela no dia do desfile, gerando mais desejo do consumo imediato.

O resultado de todas estas questões é a incógnita de como serão as próximas semanas de moda. Segundo artigo publicado no FFW, as marcas estão se desgarrando e optando por não seguir mais as regras, especialmente no que diz respeito às datas de desfiles. Grifes importantes para o calendário como Proenza Schouler, Altuzarra e Rodarte acham que Nova York não é mais o local adequado para mostrar suas coleções e têm desfilado em Paris.

Alexander Wang informou que irá desfilar em junho e dezembro, em vez de fevereiro e setembro. Já os estilistas que se apresentaram nesta edição da NYFW fizeram as coisas da sua própria forma, numa tentativa de se adequar aos novos tempos.

Marcas desfilam em Nova York sem se prender às estações (Imagens: AFPForum)

Ralph Lauren

Ralph Lauren fez um dos desfiles mais comentados de Nova York e apresentou sua coleção Verão em plena edição de Inverno. O desfile "see now, buy now", que significa que os looks da passarela estarão imediatamente disponíveis para venda, apresentou estilo náutico chic inspirado na Jamaica, tanto para os homens como para as mulheres. Tudo junto e misturado

Oscar de la Renta

A passarela de Oscar de la Renta também foi marcada por padronagens florais e toques iluminados de vermelho com frescor de verão. Modelagens românticas com saias rodadas, ombros à mostra e, mais uma vez, o tule se mostrando o queridinho da temporada

Jason Wu

Em um ambiente claro, com paredes de flores, fica óbvio o clima primaveril da passarela de Jason Wu. Entre looks totalmente negros e outros com estampas liberty, pequenos florais, sobre base branca, ou até completamente brancos, o designer foi do inverno à primavera em um único desfile. Uma coisa é certa: para o tule não tem tempo ruim. Ele continua com tudo e aparece em diversas coleções

Zimmerman

Um floral vitoriano marcou o desfile da Zimmermann num suprassumo de feminilidade. Parecia ser verão no campo do século XIX pela ênfase nos babados, toques de renda e tons claros apastelados. Mas para pôr o pé no inverno, os looks foram coordenados com botas de couro python. Um mix para quem não quis ficar preso a nenhuma das estações

SPFW: Explosão criativa

SPFW: Explosão criativa

No Brasil, a nossa principal semana de moda, a São Paulo Fashion Week, já se libertou do estigma das estações há alguns anos, quando passou a assumir o número da edição no lugar da temporada. Quem quiser acompanhar a próxima, intitulada SPFWN45, ela será realizada de 22 a 26 de abril, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, e tem como inspiração o pensamento do estilista Conrado Segreto, reconhecido por seu talento e irreverência. Com o título "POW! Explosão Criativa" celebrará o impacto e a liberdade próprios da criação. Estamos no aguardo!

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.