Coluna

Entre Nerds & Otakus: Alquimista de Aço

Entre Nerds & Otakus

FLÁVIA GURGEL - flaviapgurgel@gmail.com

00:00 · 24.02.2018
Edward e Alphonse em suas versões 'reais', maquiagem, atuação e efeitos toscos

Adaptação em live action do mangá e anime Fullmetal Alchemist é lançado pela Netflix e decepciona em vários níveis

Um dos mangás mais aclamados do mundo, já adaptado para série animada duas vezes, 'Fullmetal Alchemist' ganhou um longa-metragem em live-action pela Netflix.

Adicionado esta semana ao catálogo do serviço no Brasil, o filme conta a história dos irmãos Elric, jovens prodígios em alquimia, que, ao perderem a mãe ainda crianças, tentam trazê-la de volta a vida, uma transmutação proibida de ser executada.

A tentativa não apenas falha como leva a perna esquerda de Edward e a vida de Alphonse. Em troca de seu braço direito, Ed consegue recuperar a alma de seu irmão e confiná-la a uma armadura.

O garoto passa a usar próteses mecânicas e fica conhecido como o Alquimista de Aço ao conseguir se tornar um alquimista federal com apenas 12 anos de idade.

Os dois irmãos passam a percorrer o mundo em busca da Pedra Filosofal, um artefato alquímico que seria capaz de devolver o corpo de Al.

O filme

Como adaptação somente da história, a produção funciona bem, mas como um relato fiel do enredo original. Porém não há qualidade no longa em si, como entretenimento.

A atuação e maquiagens toscas fazem com que aquele universo não seja crível. E é porque nem vamos nos alongar falando das crianças japonesas loiras.

A direção é incompetente e percebe-se um esforço em passar a mesma tônica do anime, mas falhando terrivelmente em ambientar o espectador naquele universo.

Quem é fã da história pode se frustrar bastante com momentos que, na animação, são extremamente marcantes e dramáticos, e perdem totalmente a força na versão em live-action.

A famosa cena de Nina (usada até como meme), a garotinha que é fundida ao seu cachorro pelo próprio pai, foi refeita de uma forma que inibe qualquer sentimento por parte do espectador. Não provoca nenhum impacto e nem emoções. Algo aliás que é um erro no filme todo, uma história seca.

A impressão que fica é que estamos diante de uma produção de fãs, com cosplayers no lugar de atores. Os efeitos especiais são irregulares, mas para um longa japonês são, no geral, aceitáveis. O roteiro em si funcionaria, mas acaba sendo uma experiência desagradável, até mesmo para quem é familiarizado aos mangás e animes.

Jaspion Tupiniquim

Image-1-Artigo-2366086-1
O seriado de tokusatsu Jaspion irá ganhar um remake brasileiro em homenagem aos seus 30 anos no Brasil. A informação foi divulgada pela Sato Company, empresa responsável por trazer séries e filmes japoneses ao País, tem o aval da Toei, produtora original da franquia, e previsão de estreia para 2019. O herói deverá ser reformulado e modernizado, o filme terá um elenco nacional que deverá ser anunciado em agosto, durante o festival dos 110 anos da imigração japonesa no Brasil.

Filha do Vazio

'League of Legends' ganha uma nova campeã em março. A Filha do Vazio é uma superpredadora que esteve aprisionada por anos e só sobreviveu devido à sua força de vontade e a uma segunda pele adaptada em seu corpo. Agora, a Campeã está divida entre dois mundos, o que lhe deu a vida e o que a tornou quem ela é.

Lost Canvas

Um dos maiores sucessos de 'Os Cavaleiros do Zodíaco', o mangá 'The Lost Canvas', está de volta. A JBC traz uma versão especial para colecionadores 11 anos após a sua primeira publicação no Brasil. O mangá conta a história da possessão de Alone pelo Senhor do Mundo dos Mortos e como ele passa a comandar as forças do Submundo contra o Santuário.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.