coluna

Ana Miranda: Os ciúmes

Image-0-Artigo-2360249-1

Ana Miranda: Os ciúmes

00:00 · 10.02.2018

Tempo de Carnaval, rolam ciúmes por aí. Ciúmes da mulher que se desnuda e sai atrás da liberdade, do homem que resolve soltar as amarras, da nossa quietude talvez, que se acabou. Medo de perder o que nem temos.

Pierrô, Arlequim e Colombina, o mais célebre triângulo amoroso do mundo. Na Commedia dell'Arte, a bela dançarina é disputada pelo insolente Arlequim, assim como por Pierrô, o serviçal pobre, em suas roupas de pano de saco, rosto pintado de branco.

Pierrô suspira pelo amor de Colombina e é vítima das zombarias. Quem ama é ridículo, parafraseando o poema de Pessoa, em que todas as cartas de amor são ridículas. Ciúmes podem ser ridículos. Mas podem ser amor.

Fora a ira, destrutiva a ponto de ser um dos pecados capitais, o ciúme talvez seja o mais irracional dos sentimentos. Pode se transformar numa obsessão, causar delírios, medo de perseguição.

Não há um motivo plausível para existir, algumas vezes, a não ser a falta de amor por si mesmo. Se eu não amo a mim mesmo, como posso ser amado? E vêm os ciúmes.

Mas pode ser a reação a uma ameaça verdadeira que paire sobre algo que nos é valioso, como a pessoa amada, um objeto, uma qualidade de vida que conseguimos com muito custo, ou um livro que sofremos demais ao escrever.

Sim, os escritores costumam ser ciumentos, não quanto a leitores, isso é raro acontecer, mas quanto a autores paralelos. Sentem como se sua alma fosse roubada, quando veem uma visão inesperada a partir de outros olhos.

Alguns não permitem adaptações de seus livros, ou de alguns de seus livros. Dizem que o García Márquez recusou propostas irrecusáveis para filmarem Cem anos de solidão. Mas cedeu em Erêndira.

Outros, permitem, mas ficam decepcionados. Dizem que Rachel de Queiroz comentou, ao ser perguntada se gostara da adaptação de Maria Moura: Eles é que não gostaram do meu livro, pois mudaram tudo. Puros ciúmes!

E o Guimarães Rosa, ao assistir à encenação de seu Grande sertão: veredas, em movimentos de cavalaria, cavalos e mais cavalos, teria dito: Não se trata de um filme épico, mas de um filme hípico! Puros ciúmes. Ninguém olha do mesmo modo que olhamos. Difícil aceitar.

A arte é uma amante ciumenta, diz o reverendo escritor, pastor Emerson. Toma o nosso tempo, a nossa alma, os nossos sonhos.

Não são um sentimento humano, apenas, os ciúmes. Os cães sentem ciúmes, os gatos sentem, passarinhos, e alguns cientistas afirmam que os polvos chegam a matar, por ciúmes. Haja sentimento para tantos braços.

Os ciúmes podem destruir algo bom e puro, podem ser a verdadeira ameaça que imaginamos estar fora de nós, mas está dentro de nós. Psicólogos indicam: 1. Cuide da sua autoestima. 2. Observe, entenda seus ciúmes. 3. Não acredite que é dono de alguém. 4. Nem todo mundo quer o que você tem.

5. Aprenda a controlar seus ímpetos. 6. Converse, revele seus ciúmes. 7. Não alimente seus ciúmes e suas fantasias ciumentas. 8. Dê segurança ao seu parceiro. 9. Você pode estar se diminuindo com ciúmes. 10. Vá viver sua vida, e não uma vida alheia.

É espantoso como o ciúme, que passa o tempo a fazer pequenas suposições em falso, tem pouca imaginação quando se trata de descobrir a verdade. Frase de Proust que encontrei ontem, num acaso.

Tido sempre como um sentimento negativo, o ciúme é poderoso, mas deve possuir algum lado bom, tudo tem o seu lado favorável. E um desses lados é a criação artística.

Os ciúmes são um tema tão fantástico que alimentou obras-primas da literatura. Uma é Otelo, de Shakespeare; outra é nosso Dom Casmurro, de Machado de Assis. Quem não se embriaga com os olhos de Capitu, enigmas quase desvelados pelos ciúmes de Bentinho!

Mas são tragédias humanas que foram escritas para nos dar uma experiência que não precisamos ter na vida real. Deixemos os ciúmes aos personagens e aos poetas.

Em Otelo, a mais conhecida, bela e poética definição desse sentimento arrasador: Ciúme é um monstro de olhos verdes! A green-eyed monster. Será que Machado se lembrou dessa definição, ao criar os olhos de Capitu? Olhos de um mar em ressaca.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.