Coluna

Ana Miranda: o tempo passa depressa demais

Image-0-Artigo-2343911-1

Ana Miranda: o tempo passa depressa demais

00:00 · 30.12.2017

Tic tac tic tac cada segundo que passa tic tac tic está perdido... Versos que escrevi na infância, lembra? Eu já sentia que o tempo passa e não tem jeito, passa, e está perdido.

Acho que escrevi estes versinhos depois de ler o romance "O tempo e o vento", de Érico Veríssimo. Ele dizia que o tempo custa a passar quando a pessoa espera, principalmente quando venta. Mas é só uma miragem.

Na verdade, o tempo sempre passa depressa demais, e é breve a nossa vida. E jogamos tanto tempo fora, Ah eu podia ter feito isto e não fiz, ah eu podia não ter feito aquilo, e fiz, Ah como perdi meu tempo!

Aproveitar o tempo é uma arte difícil. Exige atenção, controle de si, disciplina, e é preciso aprendermos uma espécie de arte da escolha. Isto sim, isto não, isto talvez...

As delícias do mundo são amigas do tempo, e inimigas de quem quer fazer alguma coisa em sua vida. Tantas ofertas, tantas obrigações, tantas responsabilidades... Perdemos tanto tempo com mundanismos que queremos e não queremos!

Quem não prefere passear na praia, tomar um vinho com amigos, ou uma boa mesa de conversas, e outros prazeres? Melhor do que enfrentar uma página em branco, ou uma decisão complicada, ou um olhar sobre si mesmo.

O tempo passa depressa demais e a cada dia passa mais e mais depressa, quanto mais temos memórias, menos prestamos atenção ao momento, e nos perdemos nos rios de lembranças e nas gavetas das recordações, e nas janelas abertas para o amanhã. E assim, não vemos o dia passar.

Vemos apenas o tempo que já passou. Tic tac e se foi. Temos um relógio de cuco em nossa mente. Quando o passarinho canta, canta o tempo que passou. Adeus, dia. Mas o tempo da vida não pode ser medido nos relógios.

Acreditamos no amanhã. E o amanhã se torna ontem. O tempo passou e nem percebemos, quando nos damos conta, o dia já se foi, e nem sabemos quanto tempo ainda temos. Vamos entrar em 2018! Quando eu era mocinha e queria dizer que algo estava tão longe que talvez jamais acontecesse, dizia: Só no ano 2000.

Ainda bem que existe o tempo literário. No tempo literário, nem sempre as coisas acontecem na ordem do tempo ou do espaço. Leio a última página hoje, amanhã releio o começo do livro: tudo recomeçou.

O maravilhoso escritor argentino e universal, Jorge Luís Borges, escreveu uma narrativa em que mostra os descendentes de Kafka. Só que muitos desses descendentes, escritores com uma literatura intensamente kafkiana, viveram séculos antes de Kafka. Mas se tornaram descendentes de Kafka pela força da sombria atmosfera kafkiana.

Isso quer significar: eu posso ser neta de meus netos ou avó de meus avós. Uma outra contagem de tempo, não cronológica. O tempo da vida não se passa nos relógios tic tac tic tac... Mágica.

Também nosso pensamento não se passa cronologicamente e somos, mesmo, capazes de mudar a ordem dos fatos em nossa memória. O que aconteceu antes passa a acontecer depois.

"O tempo passa depressa demais e a vida é tão curta. Então - para que eu não seja engolida pela voracidade das horas e pelas novidades que fazem o tempo passar depressa - eu cultivo um certo tédio. Degusto assim cada detestável minuto. E cultivo também o vazio silêncio da eternidade da espécie. Quero viver muitos minutos num só minuto (Clarice, no romance Um sopro de vida).

Mas, como viver muitos minutos num só minuto? Tenho um plano para aproveitar o tempo: todos os dias, preciso realizar algo, seja uma página escrita, um desenho, ou a resolução de um problema. Modesto consolo, pequena ilusão.

"Cada tic tac é um segundo da vida que passa, foge, e não se repete. E há nele tanta intensidade, tanto interesse, que o problema é só sabê-lo viver. Que cada um o resolva como puder". Palavras da artista Frida Kahlo, um quase poema, parecido com o meu, porém, mais vivido.

O tempo resolve! Dizia meu pai, quando aparecia um problema que ninguém conseguia resolver. O tempo vai resolver! O tempo passa, mas tudo pode ser inesquecível. E a lembrança recolhe o tempo, o tempo retorna, e não passa mais.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.