Coluna

Ana Miranda: Meu jardim na varanda

Image-0-Artigo-2434341-1

Ana Miranda: Meu jardim na varanda

00:00 · 04.08.2018

Olhava a varanda. A paisagem, horizonte, céu. Eu não queria nenhuma planta no apartamento novo, apesar de amá-las imensamente. Pensava que já tinha muitas plantas na casa perto da praia, e árvores:

Três cajueiros, nove coqueiros, dois pés de ata, um de seriguela, dois de acerola, três limoeiros, jasmineiros, buganvílias, cicas, dois nins, um maravilhoso flamboyant que se incendiava de flores rubras; e mil vasos com plantas de pequeno porte, como samambaias, aspargos, rendas-portuguesas, babosas, espadas-de-são-jorge, sianinhas...

Todas essas plantas e árvores já me supriam de uma espécie de seiva necessária a todos os humanos que amam a natureza e sentem felicidade com o verde. Ficavam lá na casa, cuidadas pelo jardineiro. Num apartamento sem plantas eu poderia viajar despreocupada, apenas passar a chave e adeus.

Nada de saudades das flores, lembranças de folhas, nada de pensamentos preocupados se as plantinhas estavam bem, ou sem água e sem carinho. Era uma espécie de liberdade que eu não me lembrava de ter tido, sempre plantas e gatos me prenderam em casa.

Mas o apartamento sem nenhuma planta estava seco, frio, sem verdor, sem graça, sem beleza, sem personalidade, sem vida. E a minha vida ali parecia também seca, fria, pálida, sem graça, sem personalidade e sem beleza. Sensação de deserto.

Pensei que não ia fazer mal nenhum ter apenas uma planta, uma dessas plantas que precisam de água apenas uma vez por semana, que sobrevivem sem nosso olhar, sem nossos cuidados, como cactos, as suculentas... Uma só plantinha não iria me aprisionar.

Uma passada na loja de plantas, e lá estava ela, uma areca suave, num canto da minha varanda, embelezando a paisagem que se descortinava por detrás. Singela, modesta, generosa palmeirinha. Bem verde, sem exigências, apenas alegrando a minha vida e me dando saúde mental e física, ar mais puro, amizade, companhia, carinho, suavidade.

Mas tão sozinha! Um dia fui comprar umas lâmpadas e me apaixonei por uma planta desconhecida, ela me atraía de uma maneira tão irresistível que eu a comprei e a levei para a varanda, e ela ficou linda ali, no outro canto, fazendo uma oblíqua companhia à palmeirinha, com suas folhas miúdas cor de vinho, uma planta silenciosa, séria, delicada.

Depois, outra planta, e mais outra, sem eu perceber, e cá está o meu novo jardim na varanda. Lindo! Dois filodendros, duas begônias prateadas com vermelho, uma orquídea perdida, como órfã, uma samambaia-amazônica, uma raphis, umas plantas que não sei o nome, todas de sombra ou meia-luz.

Para aproveitar o sol direto, acabei fazendo uma horta de plantinhas com manejo simples: alecrim, manjericão, hortelã que espalha um cheiro delicioso quando chego perto, orégano, pimenta-de-cheiro, pimenta-malagueta, que colorem de amarelo e de vermelho a mancha verde... Para a omelete da manhã, para a sopa verde da noite.

Tenho trabalho todos os dias, logo ao acordar: dizer bom-dia, com uma entonação agradável e amigável, aguar a terra, borrifar água fresca nas folhas para lavar a maresia e a poeira, tirar as folhas secas... Perguntar a elas se estão gostando do seu lugar, se têm muito sol, ou pouca sombra, se sentem saudades do lugar onde viviam, de suas companheiras.

Uma vez por mês, aplico um nutriente para as raízes, um para as folhas, um para as florais. Um trabalho que lava a alma, que limpa as arestas das chateações de dentro da cabeça. E as plantas respondem, imediatamente. Ficam belas, viçosas, dão brotos, espocam flores amarelas ou derramam cachos de frutinhas.

Falo com elas, às vezes em francês, bon jour! Comment allez-vous? Bien dormi? e o motivo deve ser porque é a língua do amor, a mais sonora. E elas ouvem, com certeza ouvem, e devem sorrir, um sorriso invisível como o das pessoas solitárias.

As plantas são como animais, ou como pessoas, cada uma tem a sua personalidade, seu modo de ser, de existir, de se expressar. E elas me ensinam a compreender outras linguagens, mais de olhar que de ouvir. Preciso dessas aulas matinais.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.