Coluna

Ana Miranda: lembrar de esquecer

Image-0-Artigo-2423200-1

Ana Miranda: lembrar de esquecer

00:00 · 07.07.2018

Como é, mesmo, o nome daquele personagem naquele romance que se passava nem sei onde, e que disse aquela frase inesquecível sobre a memória?

Eu, que trabalho com a memória, só eu sei os dilemas para me recordar de algo. Estou sempre nas fronteiras entre lembrar e esquecer. São tantos os conhecimentos! E quanto mais aprendo, mais esqueço.

Tenho mil caderninhos de anotações para meus romances, mas na maioria das vezes esqueço onde os guardei; e quando os encontro, em geral não há mais tempo para usá-los: o livro está pronto.

Alguns amigos meus têm uma memória fabulosa; uns lembram todas as letras de música, outros, os detalhes de todos os filmes; um sabe todos os nomes das estrelas e as reconhece no céu; outro sabe os nomes de todas as árvores que aparecem na estrada.

Alguns lembram de tudo sobre tudo. Desde quem foi Quintiliano, até uma receita de pão de ló e como foi inventado, passando por detalhes da gramática da memória de Wittgenstein e mais e mais. Ah, como os admiro, estou sempre sofrendo com as amnésias que se passam em minha mente todos os dias.

Os grandes mestres mnemônicos usam o Palácio da Memória. Conheci esse método num livro sobre Matteo Ricci, um jesuíta do século 16 que tentou seduzir os chineses usando sobretudo este modo de guardar conhecimentos, que existia desde os antigos gregos. Como era, mesmo, o nome daquele grego que disse que os mentirosos precisam ter boa memória?

É assim: eu crio um lugar na imaginação, que pode ser inventado, ou um lugar conhecido, ou a combinação disso. Então, eu espalho as memórias como objetos pelo lugar imaginário: salão de jogos, cozinha, jardim de rosas... E é só caminhar por ali.

Um dos maiores memorialistas brasileiros foi o Pedro Nava, ele se recordava vivamente de uma enormidade de elementos. Mas anotava tudo, e guardava as anotações. Dizem que ele guardava até os bilhetes de entrada num teatro, ou as notinhas de compra na padaria.

Meu neto, aos quatro anos, sabia todos os nomes de todos os dinossauros de todos os seus livros de dinossauros, e a minha neta de uns catorze anos sabia todas as histórias da mitologia grega. Dizem que a memória é jovem.

Sei que a memória é mulher, filha da Terra com o Céu. E sei que ela, Mnemosine, foi quem, após nove noites de amor com Zeus, deu à luz nove Musas. As artes e as ciências, a sabedoria, a eloquência, a persuasão, a história, a matemática, a astronomia nascem da memória. O James Joyce dizia que a imaginação vem da memória, ou seria o contrário? A memória é imaginação? Onde foi, mesmo, que li isso? Museu, musa, música... Você não me ensinou a te esquecer...

Proust foi o escritor que mais profundamente escreveu sobre a memória, e a memória proustiana é a sensação causada pela vida, pela natureza, pelas descobertas da infância, pelos sofrimentos, casas e lagos que não existem mais, e tudo o que une a existência de alguém com o universo ao redor.

A memória "está num ar de chuva, num cheiro a quarto fechado ou no de um primeiro fogaréu, seja onde for que de nós mesmos encontremos aquilo que a nossa inteligência pusera de parte, a última reserva do passado, a melhor, aquela que, quando se esgotam todas as outras, sabe ainda fazer-nos chorar". (Proust)

Soube que existem campeonatos mundiais de memória. São mais ou menos assim: os participantes têm quinze minutos para memorizar 99 nomes e rostos, e vinte minutos para se lembrar de todos. Em seguida, devem memorizar um poema inédito de cinquenta versos, seguido de uma série de dígitos aleatórios, uma lista de palavras randômicas, um monte de cartas de baralho e imagens abstratas.

Minha avó dizia, saber não ocupa espaço. Estava errada; segundo a neurociência, para esgotar a memória um ser humano teria de estudar dez horas por dia durante trezentos anos. A memória humana não é inesgotável.

Dizem que a memória existe apenas para nos ensinar a esquecer. "Eu, agora - que desfecho! Já nem penso mais em ti... Mas será que nunca deixo de lembrar que te esqueci?" De quem é, mesmo, este poema?

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.