coluna

Ana Miranda: Conhecer a mulher

Image-0-Artigo-2269329-1

Ana Miranda: Conhecer a mulher

00:00 · 15.07.2017

O que é uma mulher? Exclama, desesperado, o próprio Freud. "A grande questão que nunca foi respondida, e que eu ainda não tenho sido capaz de responder, apesar de meus trinta anos de pesquisa sobre a alma feminina, é: "O que quer uma mulher?"

O que quer, afinal, a mulher? Exclamam os homens, em desespero. Tão fácil compreender a mulher, diz um amigo meu. Basta compreender o mundo! Basta imaginarmos uma mulher, para sabermos como ela não é.

Não há uma ciência exata para se conhecer a mulher. "Se você quiser saber mais sobre a feminilidade, informe-se das suas próprias experiências de vida, ou vire-se para poetas, ou espere até que a ciência possa lhe dar informações mais profundas e mais coerentes". (Freud)

Alguns homens têm um modo de olhar que parece desnudar a mulher. Não desnudá-la das roupas, mas a alma. Desses, jamais conseguimos esconder nossos segredos, eles parecem nos adivinhar desde sempre.

Desde Eva, discute-se sobre o que é a mulher. Toda mulher, desde Eva, leva segredos na alma e no coração. A mulher é um jogo perigoso de adivinhação.

Para entender uma mulher, basta saber que tudo o que ela deseja talvez seja despertar um amor. Quando se trata de uma mulher, sempre há um talvez. Mas o coração da mulher, como os instrumentos musicais, depende de quem o toca.

Toda mulher é um poema. Um poema é um mistério cuja chave deve ser procurada pelo homem. Todo homem, para entender uma mulher, precisa ser poeta. E um pouco louco.

Toda mulher é sedutora. A mulher mais austera não resiste à tentação de seduzir e, mesmo sem dar uma esperança, sente prazer em fincar um espinho.

Toda mulher se renova. A mulher é de uma substância tal que, por mais que a estudes, sempre encontrarás nela alguma coisa totalmente inesperada.

Toda mulher é cruel. Deve-se temer mais o amor de uma mulher do que o ódio de um homem, frase bem conhecida. Quando furiosa, parece querer apenas ser bela. Quando está alegre, chora. Quando apaixonada finge ignorar. Quando parece frágil é para mostrar superioridade.

Toda mulher tem algo de Lilith e de Eva. Lilith foi criada a partir da poeira junto a Adão. Ela negou-se a deitar sob ele na hora do sexo por não se sentir inferior e, em protesto, abandonou o Éden. Lilith rebelou-se contra a "superioridade" masculina, o que a torna uma figura problemática para as religiões patriarcais. Lilith tinha asas.

Se a mulher foi feita a partir de uma costela de Adão, isso significa que ela é a companheira, que está a seu lado, como as costelas. O osso da costela alude à igualdade entre homem e mulher, já que não foi utilizado um osso inferior, nem um osso superior, mas sim um osso do lado. Outra interpretação, em sintonia com a primeira, lembra que a mulher é protetora da vida, assim como os ossos da costela protegem o coração.

A mulher é um pecado personificado, uma tragédia misteriosa, escura e selvagem, com todos os seus horrores frenéticos, catástrofes, devaneios e fins infelizes... A mulher é sempre um tipo difícil de pessoa, porque ela é enormemente imprevisível: umas vezes muito alegre, às vezes muito triste, às vezes rude, noutras muito compreensiva e enternecedora, num momento uma egoísta e noutro capaz dos mais honoráveis sentimentos... Parafraseando o Dostoievski.

Nada é tão flexível como a língua da mulher, nada é tão pérfido como os seus remorsos, nada é mais terrível do que a sua vingança, nada é mais sensível do que as suas lágrimas.

Basta aceitar. A mulher é, simplesmente, um mistério. Mas, a coisa mais bela que podemos experimentar é o mistério. Ele é fonte fundamental de toda verdadeira arte e de toda ciência. Aquele que não o conhece, e não mais se maravilha com ele, tem os olhos fechados. São palavras de Einstein.

Com todo o perdão da palavra, eu sou um mistério para mim (Clarice). Mesmo a mulher mais sincera esconde algum segredo no seu coração.

Quem acertou o caminho para entender as mulheres foi, talvez, Oscar Wilde. Ele dizia: as mulheres não existem para serem compreendidas, mas para serem amadas.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.