Especial Publicitário

Qualidade à mesa

Mais de 1.200 ovos produzidos por minuto, totalizando 1 milhão de ovos por dia. 750 colaboradores diretos, que atendem o consumo em 12 Estados. Tudo isso em 26 anos de história. Esses são alguns dos números expressivos da Avine, uma das maiores produtoras de ovos do Brasil.

Avine produz 1.200 ovos por minuto.
05:00 · 17.07.2018
Airton Carneiro Júnior: CEO da Avine.

Mais de 1.200 ovos produzidos por minuto, totalizando 1 milhão de ovos por dia. 750 colaboradores diretos, que atendem o consumo em 12 Estados. Tudo isso em 26 anos de história. Esses são alguns dos números expressivos da Avine, uma das maiores produtoras de ovos do Brasil. Com sede em Fortaleza, a empresa se destaca pela abrangência de seu mercado e a qualidade dos produtos. Uma história que começou com a visão empreendedora do fundador, Antonio Airton de Araújo Carneiro, natural de Quixeramobim. “Como poucos produtores avícolas tinham escala no Nordeste, havia sim, uma oportunidade para que se desenvolvessem alguns grandes players”, comenta Airton Carneiro Júnior, CEO da Avine.

Com um rigoroso controle de qualidade, a Avine controla cada etapa de produção dos ovos. Para isso, possui até uma fábrica de ração, que fornece alimento para as galinhas. “O cuidado começa na seleção dos ingredientes e formulação da ração. Hoje trabalhamos com diversas formulações para atendermos as necessidades nutricionais das aves”, conta Airton Carneiro Júnior.

Nesta entrevista ao Você Empreendedor, o CEO da Avine relembra os detalhes da história da empresa e fala dos percalços que a companhia superou para se tornar uma das maiores do país em seu segmento.

VOCÊ EMPREENDEDOR: Como a Avine começou suas atividades?

AIRTON CARNEIRO JÚNIOR: Na década de 1960, Antonio Airton de Araújo Carneiro, cearense de Quixeramobim, foi estudar engenharia mecânica no Rio de Janeiro, pensando em retornar ao Ceará em seguida, para trabalhar junto com o pai no negócio de beneficiamento de algodão da família. No meio do caminho, se casou, acabou indo trabalhar em obras na construção de Brasília e, em seguida, foi trabalhar com um cunhado em Goiás. Quando estava lá, foi convidado pelo irmão para retornar ao Ceará e se tornar sócio da Cialne, empresa que trabalhava com avicultura e leite. Durante o tempo que trabalhou na Cialne, Antonio Airton gerenciou a atividade de frango de corte e ovos da empresa, período de crescimento e consolidação da Cialne como uma das principais empresas de avicultuta do Nordeste. Em 1º de junho de 1992, foi feita uma cisão na Cialne, onde Airton saiu da sociedade, ficando com que era a operação de ovos e fundando a Avine. A sede da empresa continua no mesmo lugar em que começou, na Avenida Presidente Costa e Silva, 2140 - Mondubim. Naquele momento, a Avine apenas trabalhava com ovos e toda a operação de classificação, embalagem e expedição de produtos se localizava em Fortaleza. A produção de ovos ficava em Aquiraz e a empresa não tinha fábrica de ração.

Quais foram os desafios principais a serem superados?

Na abertura da empresa, estavam Airton Carneiro e sua filha, Ana Cláudia, juntamente com alguns funcionários que vieram da Cialne. Dentre os grandes desafios iniciais estava a falta da fábrica de ração, pois como a ração é o principal insumo e custo da produção avícola, não ter uma fábrica de ração é complicado e caro para uma granja. Então, poucos meses após o início da empresa, num grande esforço, Airton Carneiro montou, do zero, uma fábrica de rações em 45 dias. Outro grande desafio do início foi a falta de capital de giro. A Avine começou com um bom patrimônio, mas com pouco capital de giro, o que obrigou a empresa a fazer uma redução no volume de produção inicial para adequar o fluxo de caixa ao capital de giro disponível.

A empresa foi aberta por uma oportunidade de negócio ou por uma observação de alguma necessidade específica do mercado?

A avicultura trata de proteína animal; proteína animal é alimento. Como poucos produtores avícolas tinham escala no Nordeste, tanto na época da Cialne como na abertura da Avine, havia sim, uma oportunidade naquele momento para que se desenvolvessem alguns grandes players.

De que forma aconteceu a expansão das atividades da empresa?

Aos poucos a empresa foi expandindo, crescendo na produção de ovos e iniciando novas atividades. Entrou no mercado de frango de corte, de matrizes de corte, codorna e, mais recentemente, em ovos pasteurizados. Posteriormente, acabou recuando em matrizes e frango de corte. Airton Carneiro sempre teve muita visão e sabia que o Ceará, assim como Pernambuco, cresciam em sua avicultura, mas, naquele momento, outros Estados do Norte/Nordeste ainda tinham uma avicultura tímida e havia espaço para um trabalho de comercialização e distribuição ovos bem feito.

Quais são os planos para os investimentos da empresa?

Estamos sempre crescendo, principalmente em ovos de galinha e no ovo pasteurizado. Mas não costumamos ter números fechados, pois buscamos primeiro conseguir desenvolver a comercialização para só depois ampliarmos a produção.

Tendo por base a história da Avine, quais são os conselhos para os empreendedores que estão iniciando a jornada no empreendedorismo?

Alguns podem parecer clichês, mas vamos falar de coisas em que realmente acreditamos. Não existe nada fácil. Gestão é sempre algo complexo e que envolve esforço na implantação, mas também muito esforço na manutenção. Manter uma operação num nível de excelência é sempre um desafio. Em se tratando de produção, é fundamental só produzir o que se consegue vender bem. Muita gente produz bem e cresce na produção com uma comercialização fraca, assim, acaba perdendo tudo que conseguiu de ganho. Por fim, as pessoas é que fazem as empresas. Se tirarmos as pessoas da Microsoft, sobram prédios, cadeiras e computadores e o que sobrou somado não passa nem perto do valor da Microsoft. O que realmente gera valor nas empresas são as pessoas.

CONTROLE DE QUALIDADE TEM VÁRIAS ETAPAS:

A qualidade de produtos avícolas é bem complexa. São várias etapas para garantir a qualidade dos produtos que vão para a mesa do consumidor. “O cuidado começa na seleção dos ingredientes e formulação da ração. Trabalhamos com diversas formulações para atendermos as necessidades nutricionais das aves, de acordo com a idade, linhagem, estrutura de produção e até o clima”, comenta Airton Carneiro Júnior.

A qualidade da água e da ração que alimenta as galinhas também são muito importantes. Também há todo o cuidado na criação e no desenvolvimento dos animais: somente aves saudáveis produzem ovos com qualidade e alcançam boa produtividade. “A ração correta, oferecida à vontade, assim como uma boa ambiência, o monitoramento da sanidade das aves e um bom programa de vacinas são determinantes para uma boa qualidade”, diz o CEO da Avine.

Após a postura do ovo, o produto precisa ser classificado, selecionado e expedido. Essa é a parte industrial, na qual são usados equipamentos holandeses de última geração, num processo computadorizado. “Todo o processo é auditado por diversas auditorias independentes, além do Ministério da Agricultura. Fornecemos ovos com a marca própria de diversas redes de supermercado e cada uma exige sua auditoria de processo e qualidade”, detalha Airton Júnior.

Sofisticando seu processo produtivo, a Avine desenvolveu o ovo pasteurizado, embalado em caixinhas Tetra Pak. “O processo é ainda mais rigoroso, trata-se de um produto mais sensível e que usa o sistema CIP de limpeza, um circuito todo fechado. Também usamos equipamentos importados da Holanda e da Suécia”, conta o CEO da Avine.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.