Especial Publicitário

Mensurar é preciso

O planejamento e a utilização de ferramentas de gestão empresarial fazem parte do dia a dia do professor Marcelo Magalhães, Diretor de Planejamento da Universidade de Fortaleza (Unifor), onde também é docente dos cursos de Adminitração de Empresas e Engenharia de Produção.

Marcelo Magalhães: aumento da concorrência e exigência dos consumidores estimulou o uso das ferramentas de gestão.
05:00 · 31.07.2018

O planejamento e a utilização de ferramentas de gestão empresarial fazem parte do dia a dia do professor Marcelo Magalhães, Diretor de Planejamento da Universidade de Fortaleza (Unifor), onde também é docente dos cursos de Adminitração de Empresas e Engenharia de Produção. Ele defende que os empreendedores, de todos os portes e ramos de atuação, apliquem esses instrumentos para melhorar a eficiência do negócio. “Números mostram que 60% das empresas abertas no País fecham em até cinco anos. Se os empreendimentos fossem bem planejados, esse índice poderia ser bem menor, pois aumentaria o nível de assertividade das decisões”, constata.

A partir do Plano de negócios, Marcelo Magalhães aponta o uso de indicadores como item essencial para uma boa gestão. “O empreendedor precisa saber que indicadores são críticos, vinculados a cada processo ou atividade que executa, estabelecendo uma visão adequada do que está acontecendo no seu negócio, e sempre que houver algum desvio ou divergência em relação ao esperado, ele pode tomar uma providência. Desssa maneira, consegue tomar boas decisões”, ensina.

Nessa entrevista ao Você Empreendedor, o professor Marcelo Magalhães detalha o uso de ferramentas de gestão e aborda a questão do empreendedorismo na Unifor.

VOCÊ EMPREENDEDOR: A partir de quando as ferramentas de gestão passaram a ser utilizadas?

MARCELO MAGALHÃES: Entre meados da década de 1980 e começo da década de 1990. Esse período foi um marco, pois a globalização mudou totalmente o modo como as empresas funcionavam. Naquela época, o mercado se abriu, aumentou a concorrência em todos os setores e os consumidores se tornaram mais exigentes. Antes, era tudo muito baseado na intuição, na subjetividade, na experiência, sem muitos questionamentos. As decisões eram tomadas de forma muito aleatória. Se dessem errado, como não havia muita concorrência, o erro não tinha consequências significativas. A partir daquele momento, começaram a surgir ferramentas para que as empresas tivessem mais informações, principalmente internas.

Por que utilizar ferramentas de gestão é importante?

O ideal é que o negócio comece calçado em ferramentas de gestão. É fundamental que o empreendedor consiga identificar aquela oportunidade e a coloque na forma de um Plano de negócios. Mesmo que ele não faça isso no início, que ele abra um negócio sem muito planejamento e o trabalho comece a dar certo, a tendência é que o negócio evolua e se torne mais complexo, aumentando os clientes, a necessidade de formalização etc. Se ele não tiver ferramentas que o auxiliem nesse processo, vai sentir dificuldade e pode deixar de ter um negócio viável nesse momento.


Para o emprendedor que está pensando em abrir um negócio, que ferramentas são mais básicas?

A primeira delas é o Plano de negócios. É preciso ter bem claros alguns pontos, como a finalidade do negócio, se ele vai ser rentável ou não. No Plano de negócios se coloca desde a visão da empresa, a missão e os objetivos até um planejamento operacional, financeiro, de mercado e as estratégias de marketing que vão ser adotadas. Passado esse momento, o empreendedor precisa ter algumas ferramentas básicas, como o PDCA (ciclo de planejamento, execução e checagem), que pode ser aplicado em qualquer contexto e em qualquer nível da empresa. A medida que o negócio vai evoluindo, ele pode utilizar outras ferramentas, como o 5S, fundamental para se ter um ambiente limpo e organizado para os funcionários. Também a Matriz SWOT, que traz os conceitos de força, fraqueza, oportunidade e ameaça, permitindo monitorar o ambiente interno e externo da empresa. Mas o ponto de partida de tudo é o Plano de negócios.

As ferramentas de gestão também são úteis para quem já tem um negócio em funcionamento?

Elas auxiliam muito, até porque, se o negócio existe, já chegou a um determinado porte, já superou algumas dificuldades, mesmo que de forma improvisada, chega um momento em que é necessário tomar decisões mais racionais, e as ferramentas podem ajudar bastante. A necessidade é que vai nortear que ferramenta vai ser escolhida, depende de cada caso. Também é importante que o emprendedor busque orientação específica de profissionais e instituições que possam dar um auxílio mais técnico.

De que forma a Unifor contribui para estimular o empreendedorismo entre os alunos?

A Unifor tem uma tradição de foco no empreendedorismo. Esse é um dos principais elementos que norteiam o curso de Administração. Hoje em dia, uma série de práticas estão sendo adotadas para fomentar ao aluno uma capacidade de autogerência do seu crescimento. E o empreendedor é uma pessoa que gerencia o seu negócio. O aluno é alguém que gerencia seu aprendizado, o desenvolvimento da sua capacidade intelectual e cognitiva. Utilizamos ferramentas, como a sala de aula invertida, o acesso a vídeos, à pesquisa, a simulados, à resolução de problemas, que são uma preparação para que o aluno busque o conhecimento e seu aprimoramento e tenha uma atitude semelhante quando estiver no ambiente profissional. Ao mesmo tempo, a Unifor desenvolve o ambiente de pesquisas, oferece incubadoras de empresas e um parque tecnológico, que recebem e preparam nossos alunos para o mercado de trabalho. A Universidade vive uma conjuntura empreendedora muito forte, e o aluno é inserido nesse contexto desde o início. No futuro, vamos intensificar esse processo. Em todas as áreas, o aluno está sendo estimulado a empreender, a criar soluções. Pode ser numa empresa que ele venha a criar ou na que ele vai atuar, a postura empreendedora deve estar sempre presente.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.