Especial publicitário

Como fazer

Preparação adequada é fundamental para se comercializar produtos com o exterior

04:00 · 15.08.2017

O negócio pode ter apenas três pessoas ou uma equipe de 50 funcionários. Seja a empresa micro, pequena ou grande, não é o seu tamanho que vai determinar se é hora de começar a exportar seus produtos. Mas tudo começa com o desejo de aumentar a competitividade, expandir o negócio e tornar-se menos dependente do mercado interno. “Não existe um momento exato para que a empresa pense em exportação”, esclarece Mônica Luz (foto acima), Coordenadora do Núcleo de Práticas em Comércio Exterior da Universidade de Fortaleza e Diretora da Impex Import Consultoria em Comércio Exterior. “Às vezes, a empresa pode nascer com o propósito de exportação. Ela pode já ter um produto típico, que tem muito mais possibilidade em outros países do que aqui, no nosso mercado interno”, avalia.

Mestre em Comércio Exterior, Mônica Luz indica que o micro e o pequeno empreendedor que deseja exportar deve, inicialmente, fazer um planejamento de exportação, com base em uma avaliação da empresa. “Existe a necessidade de uma análise da empresa, das suas condições e da sua capacidade de exportação”, afirma. Ela pontua que um dos maiores erros que observa no mercado são empresas que se aventuram na comercialização externa sem se preparar. Muitas vezes, a partir da análise da empresa, encontra-se a necessidade de adequar produtos, processos internos, de gestão e produção, antes iniciar a internalização do negócio. E é aí que muitos negócios acabam falhando neste processo.

E como uma empresa deve se preparar para a internacionalização do seu negócio? “Existem vários caminhos, mas é necessário que o empresário tenha conhecimento do produto e do mercado externo, por meio de pesquisa e bancos de dados. Existem muitos, inclusive fontes oficiais”, orienta Mônica Luz. Ela reforça que a elaboração do plano de exportação também prepara o empreendedor, pois ajuda a identificar todas as adequações necessárias a se fazer antes de exportar.

Mobilizar toda a equipe nessa preparação também faz parte. Todos precisam estar conscientes desta nova fase da empresa e da necessidade de possíveis mudanças no negócio. “É necessário que as empresas consigam envolver todos os departamentos, para que entrem juntos nessa preparação para o mercado externo. É preciso criar essa cultura de exportação”, ressalta Mônica Luz.

CANAIS

Alguns canais podem intermediar esse processo de entrada no mercado externo. De acordo com Mônica Luz, isso pode ser feito tanto de forma direta, por meio de agentes ou pelo próprio departamento da empresa, ou por meio de canais indiretos, utilizando-se serviços de empresas brasileiras que fazem a intermediação, como comerciais exportadoras e trading companies. “Canais de comercialização são a forma que a empresa vai utilizar para internacionalizar seus produtos ou serviços. Claro que a definição de qual o melhor canal de comercialização da empresa vai depender muito de várias análises, em relação ao tamanho, à capacidade de exportação, de produção, à preparação. Vai depender de uma análise do status, do momento em que a empresa está”, explica Mônica Luz.

Conhecer a legislação vigente sobre comércio exterior também deve entrar na rotina de quem está se preparando para exportar. É fundamental que o empreendedor conheça as leis brasileiras que regem o comércio exterior, concernentes a despacho, transporte, tributos e condições de exportação. “E existe a legislação aduaneira brasileira, ou seja, a empresa precisa ser habilitada a exportar, precisa existir formalmente. Precisa ter como objeto social a exportação e ela precisará ter uma habilitação junto à Receita Federal, para que use o Siscomex, um sistema de comércio externo brasileiro, para que ela possa fazer a exportação”, explica Mônica Luz.

Além da legislação brasileira, é necessário que o exportador aprenda sobre as leis de cada país para onde enviará seus produtos. “Cada mercado tem sua legislação em relação a cada produto. O empresário também tem que ter conhecimento desses procedimentos internos e da legislação e exigências de cada país o qual estiver buscando”, reforça.
 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.