enxaqueca

Uso indiscriminado de analgésicos

A maioria - 97% dos entrevistados - afirmou ter tido dor de cabeça no último ano, segundo pesquisa da ABN
00:00 · 20.05.2017

Do total de 2. 318 participantes da pesquisa realizada pela Academia Brasileira de Neurologia (ABN), o diagnóstico de cefaleia que prevaleceu foi o da enxaqueca - 87% ou 1.912 pessoas, das quais 946 sofrem de cefaleia episódica, com menos de 15 dias de ocorrência por mês, e 966 têm o tipo crônico.

Mas a maior diferença entre os pacientes de enxaqueca episódica e da crônica diz respeito ao abuso de analgésicos: 36% entre os primeiros contra 74% entre os segundos tomam medicamentos além do recomendado. "O paciente crônico realmente abusa mais de analgésicos", diz o neurologista Marcelo Ciciarelli, coordenador da pesquisa feita com o apoio do Departamento Científico de Cefaleia da ABN.

O uso de remédios para sanar a dor de cabeça é um ponto que chama a atenção. Entre a totalidade dos participantes, 81% declararam que tomam medicamentos sem a orientação de um profissional. E que 58% das pessoas com cefaleia indicam analgésicos para os outros; e 50% aceitam as indicações de não profissionais. Foi maciça a participação das mulheres no estudo (88% contra 12% de homens) -, o que confirma o predomínio da doença entre as mulheres.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.