Tratamento

Tatuar pernas com varizes é um risco

Cobrir os pequenos vasos para amenizar o incômodo estético pode dificultar o tratamento e piorar o quadro

00:00 · 09.06.2018
1
Apaixonada por tatuagem, a designer de moda Malissa Mariutti não tem problemas de varizes. Por isso, ela abusa da criatividade como forma de expressão corporalFoto: Yago Albuquerque
Apesar de ser uma arte milenar, a tatuagem continua em alta e fascinando gerações pelo mundo inteiro. Os desenhos que por vezes eram exibidos pela garotada simplesmente por influência de uma época, há muito tempo deixaram de ser meras ilustrações na pele de quem tem o corpo sarado para virar parte da personalidade de cada um dos adeptos. 

Porém, para quem tem tendência ou histórico de varizes é necessário tomar cuidado ao tatuar as pernas, alerta a angiologista Dra. Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

Quando as varizes surgem sob as tatuagens, a médica diz que a tinta aplicada na pele pode dificultar que alguns tratamentos vasculares sejam realizados de forma adequada como, por exemplo, a cirurgia, a aplicação de medicamentos e o uso do laser. “Além disso, existe também o risco de o corte ou a irradiação de luz na pele danificarem o desenho”, complementa a especialista.

O problema é ainda maior quando o paciente tem varizes e recorre às tatuagens para cobri-las. Isso porque o ato de tatuar pode acabar lesionando o vaso, levando a sangramentos e inflamações, principalmente em veias de grosso calibre, que, por serem muito superficiais, podem gerar flebites. 

“A flebite é todo tipo de inflamação da parede das veias, tanto do sistema nervoso superficial, como do profundo. Se não for tratada corretamente, ela pode evoluir para uma inflamação chamada tromboflebite, quando ocorre também a obstrução das veias, e o coágulo sanguíneo pode acabar migrando para o pulmão e provocar embolia pulmonar”, alerta a cirurgiã Dra. Aline Lamaita

Por isso, a médica aponta que o mais indicado é primeiro tratar a condição com um cirurgião vascular e só depois, quando não houver mais restrições, buscar um profissional para tatuar o corpo.

“Caso a pessoa não tenha varizes nas pernas, não há contraindicação para a tatuagem. No entanto, como é difícil determinar previamente se o indivíduo terá varizes, já que o único indicativo seguro do possível surgimento dos vasos é o histórico familiar, o ideal é consultar um especialista. Somente esse profissional será capaz de verificar se a pessoa tem tendência à formação de varizes e indicar o melhor lugar para a realização da tatuagem”, alerta a Dra. Aline Lamaita.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.