Superação

Ser esportista é uma questão de escolha

Uma das modalidades em alta no momento, a corrida ajuda o atleta a superar obstáculos e elevar a autoestima

A 3ª edição da Corrida Vida é a segunda experiência de Iranildo Anastácio em 6 km. A expectativa do atleta é concluir o percurso em aproximadamente 1 hora. A largada e a chegada da corrida serão na Praça das Flores ( Fotos: Jorge Mota )
00:00 · 16.12.2017
Para o operador de caixa Iranildo Anastácio, cada medalha conquistada em provas de corrida de rua significa um desafio ou obstáculo superado

A maior prova disso são os casos de pessoas, a exemplo do operador de caixa Iranildo Anastácio, 42 anos, que convivem com limitações físicas e, além de encararem uma carga horária de trabalho árdua, encontram no esporte estímulo e motivação para seguir com saúde e qualidade de vida.

A rotina de Iranildo Anastácio foi interrompida, bruscamente, em 2008, ano em que ele sofreu um acidente de trânsito e perdeu a perna direita. O momento de dor poderia ter se tornado um desespero e significar o fim para o operador de caixa. Mas sua fé e entusiasmo foram fundamentais para ele não desanimar e enfrentar destemidamente o período mais difícil de sua vida.

Além dos limites

"Até amputar a perna, tive várias complicações. Os dias no hospital foram angustiantes, porém sempre acreditei que iria conseguir sair daquela situação de forma positiva", diz.

Image-2-Artigo-2335683-1

O acúmulo de atividades diárias como compromissos profissionais e sociais são as principais desculpas de quem não tem a menor disposição para praticar atividade física

Antes do acidente, Iranildo levava uma vida totalmente sedentária. No entanto, logo após se recuperar da cirurgia, ele passou a praticar esporte. Com o tempo, tornou-se campeão de natação, arremessador de disco e, agora, é medalhista nas corridas de rua.

"Optei por essa modalidade há 1 ano e 9 meses. Participei da 2ª edição da Corrida Vida e já estou preparado para conquistar mais uma medalha, amanhã, na 3ª edição do evento", revela ansioso o atleta.

Os desafios de Iranildo começam na falta de patrocínio. No momento sem acompanhamento básico de um profissional de educação física e de um nutricionista, ele tenta colocar em prática tudo que aprendeu com o treinador anterior.

Apesar de trabalhar de domingo a domingo, com folga uma vez por semana, o atleta encontra tempo e disposição para treinar três vezes por semana. Isso respeitando sempre suas limitações físicas.

Disciplinado como deve ser um esportista, Iranildo adotou hábitos alimentares equilibrados e saudáveis. Antes de iniciar a corrida, ele consome alimentos leves. Durante o percurso, que neste ano aumenta de 5 para 6 km, ele se hidrata e, ao cruzar a linha de chegada, dá preferência às frutas.

Desafio

Depois de experimentar diversas modalidades esportivas, Iranildo optou pela corrida de rua pelo fato de ser uma das atividades mais desafiadoras na área esportiva. "Isso faz com que eu esteja cada vez mais em busca de superar meus limites", destaca.

O tempo que o atleta leva para realizar a corrida de 5 km depende das condições do percurso: "Quando o trajeto apresenta poucos obstáculos, consigo faço em 37 minutos, mas quando são mais amplos normalmente concluo aproximadamente em 42 minutos".

Ao iniciar a corrida, confessa juntar a adrenalina à ansiedade para saber como vai se sair em mais uma corrida. "Fico muito alegre por interagir com outras pessoas que possuam deficiência ou não. É quando estou perto da chegada fico ultrafeliz por conseguir concluir a prova", declara.

Determinação

Sobre a inspiração que costumeiramente vem de alguém que já viveu situação semelhante, diz ser fruto da determinação dele. Todas as medalhas são dedicadas à família e às pessoas que, de alguma forma, acreditam no potencial dele. Conforme Iranildo, as medalhas possibilitam que ele passe para outras pessoas que não existem limites quando se quer conquistar algo.

"Nunca pensei em desistir. Apesar das dificuldades e falta de apoio penso positivamente e sigo em frente. A vontade de me superar está diretamente aliada ao apoio que recebo de familiares e dos amigos".

Boa forma

O atleta não sabe exatamente quantos quilos perdeu depois que começou a praticar as corridas, mas tem certeza que melhorou tanto o condicionamento quanto o visual estético.

"Os ganhos com a prática do esporte são imensuráveis. Por isso, encaro tudo de forma positiva, apesar das dificuldades e dos preconceitos, garanto: não sou incapaz, apenas tenho limitações que supero a cada dia", ressalta Iranildo Anastácio.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.