Beleza

Ritual recomendado para antes de dormir

A renovação celular pode ser potencializada durante o sono com ingredientes específicos para a pele do rosto

00:00 · 21.04.2018

Nada como uma boa noite de sono para aliviar a carga de estresse e cansaço acumulados no dia a dia. Além disso, o repouso ajuda a melhorar a circulação sanguínea e tantos outros fatores que, de modo geral, afetam o desempenho físico e mental e, especialmente a saúde da pele.

Por isso, especialistas como o pesquisador e cosmetólogo Lucas Portilho, farmacêutico e diretor científico da Consulfarma, dizem que o período noturno é de reparação e renovação celular completa. Isso traz benefícios para a pele, desde que a pessoa siga a regra básica das seis ou oito horas de sono.

Para maximizar esse efeito e manter a pele mais viçosa, hidratada e luminosa, o cosmetólogo alerta para a necessidade de a pessoa seguir uma rotina de beleza, que inclua cremes e ingredientes apropriados para cada tipo de pele. "Esses ativos colaboram para o efeito reparador noturno, com resultado anti-idade para a pele do rosto", acrescenta o cosmetólogo.

Recomendações

Segundo o profissional, o uso de creme com retinol e climbazol, de duas a três vezes por semana, ou conforme orientação médica, pode oferecer maiores benefícios no rejuvenescimento facial.

O retinol tem a capacidade de melhorar o turn-over. Ou seja, a renovação celular, fazendo com que as células sejam estimuladas e cheguem cada vez mais oxigenadas à superfície da pele.

Conforme Lucas Portilho, estudos comprovam que o uso da substância climbazol em associação, pode potencializar a ação dos retinoides no processo de rejuvenescimento.

Hidratação

Já as máscaras de biocelulose oferecem conforto imediato para a pele, melhor absorção dos ativos e alto poder de hidratação. "Elas são indicadas para aplicação de duas vezes por semana. O desempenho do composto varia de acordo com o ingrediente escolhido", complementa o cosmetólogo Lucas Portilho.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.