saúde das mãos

Retirada de cutículas: unhas perfeitas

O hábito de não retirar as cutículas, além de evitar machucados e a sensação de pele levantada, mantém a proteção e o aspecto natural da unha ( Foto: Helene Santos )
00:00 · 20.01.2018

A famosa expressão "arrancar bife" dos dedos é bastante conhecida por quem frequenta salão de beleza no Brasil. Isso porque o famoso alicate é a grande estrela dos salões e das manicures, e também protagonista de inúmeras discussões sobre os perigos da prática de tirar cutícula.

Pensando em eliminar riscos, a esteticista da rede de beleza Beryllos, Luzia Costa, defende a ideia de desbastar as cutículas de maneira mais atraente e, ainda, garantir a saúde das unhas.

Cuticular

"Retirar as peles das unhas, procedimento mais conhecido como cutículas, acaba com a proteção natural, deixando o organismo totalmente suscetível a contrair infecções com os cortes ocasionados pelo alicate", alerta.

Além disso, Luiza acrescenta que os cortes provocados pelas retiradas das cutículas se tornam um risco de infecção ainda maior quando a unha é esmaltada. Isso porque "o esmalte é um dos principais vetores de fungos e bactérias", revela a esteticista.

De acordo com a profissional, quanto mais a pessoa tira o excesso, mais a cutícula tende a crescer. "A solução é evitar a prática. Assim você quebra este hábito que pode machucar e até deformar as unhas. Sem tirar, elas param de nascer e aos poucos voltam a ter um aspecto natural.

Ondulações e manchas

Como a cutícula tem a função de proteger, a ausência dela, deixa a unha vulnerável ao surgimento de manchas brancas, além de ondulações ocasionadas pelo enfraquecimento e a perda do aspecto lisinho e bonito. Sem tirar a cutícula, a esmaltação é mais rápida, a unha fica mais fina e o aspecto natural é mais duradouro. "Outra dica importante é usar cremes para hidratá-las diariamente", afirma Luiza Costa.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.