Proteção

Tratamentos de pele com ácidos devem ser evitados nas férias

Exposição solar combinada com as substâncias podem gerar irritação, hipersensibilidade e até queimadura

11:30 · 04.01.2018
cuidados com a pele
O ácido glicólico é um alfa-hidroxiácido e torna a pele mais sensível, portanto após seu uso, o ideal é não expor a pele ao sol ( Foto: Divulgação )

Tratamentos de pele que utilizam ácidos possibilitam bons resultados, como rejuvenescimento, esfoliação e poderosa atividade secativa, mas aliados à exposição solar podem ter efeito contrário. Ácidos com atuação antioxidante, protetora e anti-inflamatória podem ser menos prejudiciais nesse período do ano.  

Retinóides 

“Os retinóides são prescritos geralmente para épocas frias e evitando a continuidade do uso porque a pele vai ficando mais fina, avermelhada, com aspecto muito mais delicado e isso faz com que ela tenha uma maior sensibilidade aos agressores ambientais - mormaço, calor, luz visível e especialmente o sol”, explica a dermatologista Dra Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Por isso, o ingrediente não é indicado nas altas temperaturas.

Alfa-hidroxiácidos 

De acordo com a médica, o ácido glicólico, por exemplo, é um alfa-hidroxiácido e torna a pele mais sensível, portanto após seu uso, o ideal é não expor a pele ao sol ou isso pode causar forte irritação na pele com descamação, vermelhidão e até mesmo o surgimento de manchas. O ideal, nesse caso, é buscar esfoliantes mais suaves ou evitar a exposição solar – e reforçar a fotoproteção.

Ácidos permitidos

Algumas substâncias ainda podem – e devem – ser usadas. Apesar de não oferecerem a mesma potência rejuvenescedora, os ácidos ferúlico, kójico, azelaico, maslínico, ascórbico e hialurônico fazem parte das prescrições nos climas quentes, por oferecerem resultados eficientes. “A indicação e a dosagem devem ser feitas por dermatologista, assim como a orientação do modo de uso. Independente se o ingrediente é fotossensibilizante, a proteção solar é regra básica e deve ser seguida diariamente com FPS 30 (no mínimo) e reaplicado de duas em duas horas”, explica a dermatologista.

Ferúlico

Encontrado nas folhas e sementes de muitas plantas, especialmente farelo de milho e arroz. “Esse ácido fornece hidrogênio para a neutralização dos radicais livres, compostos estes relacionados com o envelhecimento das células, portanto é um potente antioxidante”, comenta a dermatologista Dra. Claudia Marçal. O ácido ferúlico suaviza rugas e linhas de expressão.

Kójico

Considerado um clareador importante por ter uso permitido durante o verão e também na gestação. “Ele inibe a ação da tirosinase (enzima responsável pela produção de pigmento) como quelante de íons, promovendo a diminuição da formação de melanina, promovendo clareamento. É um ácido que não causa irritabilidade nas concentrações de margem de segurança”, destaca Claudia Marçal.

Azelaico

Encontrado no trigo, o ácido pode ser usado também por gestantes no controle do melasma. “Ele inibe a tirosinase (enzima responsável pela estimulação e produção da melanina), então consegue prevenir a formação do melasma (e, se presente, o ácido consegue controlar e clarear)”, explica Claudia Marçal.

Maslínico 

Substância derivada da moagem de azeitonas, é um poderoso antioxidante e também tem ação anti-inflamatória considerável. “O ácido reduz a vermelhidão de peles irritadas, principalmente após exposição solar e outros agressores ambientais. A substância age diretamente sobre a hidratação e aparência da pele, deixando-a mais macia e radiante”, comenta Claudia Marçal.

Ascórbico 

A famosa Vitamina C. “O Ácido L-Ascórbico é um poderoso antioxidante, cuja aplicação tópica permite alcançar níveis que não seriam possíveis com a ingestão de frutas ou de suplementação oral de vitamina C”, explica a dermatologista. Além disso, é responsável por frear a ação dos radicais livres, estimular a formação de novo colágeno (é cofator da síntese) e ajuda a proteger a pele dos efeitos do sol, na medida em que uniformiza o tom de pele e melhora sua textura.

Hialurônico

Esse ácido é uma glicosaminoglicana e faz parte da matriz extracelular, onde ficam as fibras do colágeno e elastina. “Com o avanço da idade, o ácido hialurônico diminui, reduzindo também a hidratação e elasticidade da pele. Então, quando existe falta de ácido hialurônico, há desidratação da pele, tendência à flacidez, formam-se rugas, sulcos e perda de luminosidade”, explica a dermatologista. O ativo ácido hialurônico tem vários pesos moleculares e deve ser usado numa composição com diferentes pesos para atuar em várias camadas. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.