Segunda fase

Testes de nova terapia contra enfisema pulmonar avançam

Pesquisadores brasileiros estão testando em humanos um novo tratamento que usa células-tronco para melhorar a qualidade de vida de pessoas com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

13:30 · 26.06.2018 por Estadão Conteúdo
Enfisema pulmonar
Associada ao cigarro e à poluição, a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica será a terceira maior causa de mortes até 2030 ( Foto: Divulgação )

Cientistas brasileiros afirmam que a primeira fase de testes clínicos, realizados com quatro pessoas com enfisema pulmonar avançado, foi concluída e demonstrou segurança do método. Segundo eles, a segunda fase, envolvendo 20 pacientes, está em curso. Os resultados preliminares, apresentados em três congressos, no Brasil, na Itália e em Cingapura, sugerem que a abordagem é eficaz para melhorar a qualidade de vida dos pacientes graças à regeneração parcial das células pulmonares.

Eliseo Sekiya, diretor científico do Hemomed Instituto de Ensino e Pesquisa, entidade apoiadora da pesquisa, diz que os pacientes tiveram nos testes seus pulmões parcialmente regenerados com a infusão de células-tronco hematopoiéticas obtidas da medula óssea e células mesenquimais obtidas a partir do tecido adiposo.

Associada ao cigarro e à poluição, a enfermidade também chamada Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) será a terceira maior causa de mortes até 2030, diz a Organização Mundial de Saúde. Cerca de 64 milhões de pessoas têm a doença, que mata 3 milhões por ano. "Acompanhamos os pacientes por seis meses e vamos acompanhar por mais seis, para avaliar diversos parâmetros de qualidade de vida. Já tínhamos evidências da segurança do método e agora temos também as primeiras evidências de eficácia", disse Sekiya ao Estado.

"Até agora, em todos os casos os pacientes que foram tratados com células-tronco apresentaram ganhos nesse aspecto. Observamos também a formação de novos vasos sanguíneos nos pulmões e uma atenuação do processo inflamatório."

Pesquisa

Os 20 pacientes foram divididos em quatro grupos - todos com DPOC em estágio terminal. O primeiro grupo foi submetido à terapia padrão para DPOC, como controle. O segundo recebeu tratamento com células-tronco de medula óssea, o terceiro com células-tronco do tecido adiposo e um quarto recebeu ambos os tratamentos com células-tronco.

"Os pacientes foram submetidos a testes de caminhada de seis minutos - o padrão para avaliar capacidade funcional. E responderam questionários para avaliar o impacto da doença na qualidade de vida, que incluem descrições sobre a capacidade para se alimentar, tomar banho, se trocar e assim por diante", explicou.

"Em seis meses, todos os grupos tratados com células-tronco apresentaram melhora da qualidade de vida. Os pacientes que receberam o tratamento celular não apresentaram impacto funcional na caminhada, mas não tiveram a deterioração do quadro que verificamos no grupo de controle", disse Sekiya. Essas pesquisas têm sido feitas em parceria com cientistas de outras instituições, como a Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Assis. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.