Estética

Saiba a diferença entre lentes de contato dental e facetas de porcelana

As técnicas podem corrigir defeitos estruturais do dente

13:00 · 16.08.2018 por Estadão Conteúdo
dentes
As facetas de porcelana são mais espessas e, portanto, necessitam de um maior desgaste prévio dos dentes para sua colocação ( Foto: Divulgação )

Quem nunca ouviu frases como "O sorriso é o nosso cartão de visitas", "Um belo sorriso melhora a autoestima" ou "O sorriso é a alma do negócio?". A busca por dentes perfeitos leva cada dia mais pessoas a recorrerem a duas técnicas: lentes de contato dental e facetas de porcelana

O primeiro é um procedimento minucioso que ganhou fama no Brasil impulsionado pelas celebridades. Popularizado com o nome "lentes de contato dentais", o termo técnico correto é "laminados cerâmicos ultrafinos". Hoje encabeçam os pedidos nos consultórios odontológicos.  

Já as facetas são mais espessas e, portanto, necessitam de um maior desgaste prévio dos dentes para sua colocação. "Em geral, as facetas são indicadas em casos que envolvam dentes com alguma área fraturada ou ausente, assim como alteração de cor (dentes muito escuros). Elas permitem uma mudança maior na tonalidade do dente, alterando radicalmente o sorriso do paciente", explica o dentista Prof. Dr Rogério Marques.

Ele ressalta que elas também restabelecem a função mastigatória, principalmente em pacientes com desgaste acentuados ou dentes ligeiramente mal posicionados. 

Escolha 

As lentes de contato são semelhantes ao outro procedimento, mas o desgaste dentário necessário para sua aplicação é mínimo, por isso, sua espessura é bem menor. 

Elas são utilizadas em dentes que já possuem uma cor homogênea, mas que tenham algum defeito estrutural ou de formato, como separados, levemente apinhados, com restaurações, pequenos desgastes ou fraturas das pontas. 

Como são finas e translúcidas, as lentes de contato transmitem a cor natural do dente, gerando um resultado estético de naturalidade. "Mas é sempre importante a avaliação de um profissional, que indicará o melhor tratamento para cada paciente", finaliza Rogério. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.