Ameaça

Resistência a antimicrobianos é uma séria ameaça sanitária, diz ONU

Cerca de 700 mil pessoas morrem por infecções a cada ano no mundo

14:00 · 06.12.2017
antibiótico
Um relatório publicado em 2014 advertiu que as patologias resistentes aos antibióticos poderiam matar 10 milhões de pessoas até 2050 ( Foto: Divulgação )

Um aumento da resistência a antimicrobianos vem tornando-se um motivo de alerta. A Organização das Nações Unidas (ONU) advertiu para o caso, através da publicação de um relatório entitulado "Frontiers 2017". O documento aponta como causa o favorecimento da disseminação de medicamentos e alguns produtos químicos no meio ambiente, que constitui uma grande ameaça à saúde.

Se a tendência se mantiver, aumentará o risco da contração de doenças incuráveis pelos antibióticos atuais em atividades tão banais como nadar no mar, advertiram os especialistas reunidos em Nairóbi pela Assembleia da ONU para o Meio Ambiente.

Os especialistas assinalaram que "a difusão no meio ambiente de componentes antimicrobianos provenientes de casas, hospitais e estabelecimentos farmacêuticos, assim como da atividade agrícola, favorece a evolução bacteriana e o surgimento de cepas mais resistentes".

"A advertência lançada por este relatório é verdadeiramente alarmante: os seres humanos poderiam participar do desenvolvimento de superbactérias devido a nossa ignorância e negligência", considerou Erik Solheim, diretor do Programa da ONU para o Meio Ambiente.

"Os estudos já relacionaram o uso inadequado dos antibióticos nos humanos e na agricultura nos últimos 10 anos ao aparecimento de uma resistência crescente das bactérias, mas o papel do meio ambiente e da contaminação receberam pouca atenção", observou.

A resistência antimicrobiana é um quebra-cabeça para as agências de saúde internacionais. Em escala mundial, cerca de 700 mil pessoas morrem por infecções a cada ano.

Um relatório publicado em 2014 advertiu que as patologias resistentes aos antibióticos poderiam matar 10 milhões de pessoas até 2050, o que seria a principal causa de mortes, à frente de doenças cardíacas e câncer. Seu custo é estimado em 100 bilhões de dólares.

Pós-antibiótico

"Poderíamos entrar no que as pessoas chamam de era pós-antibióticos, ou iremos voltar aos anos antes de 1940, quando uma simples infecção era muito difícil, ou impossível", de curar, explicou Will Gaze, da Universidade de Exeter, na Inglaterra, coautor do relatório.

As bactérias são capazes de transferir entre elas genes que garantem uma resistência aos medicamentos, de passá-los às futuras gerações, de recuperá-los diretamente do meio ambiente, ou de modificar seu próprio DNA.

Atualmente, entre 70% e 80% de todos os antibióticos consumidos pelos seres humanos ou animais volta ao meio ambiente por meio dos excrementos.

Humanos e animais igualmente excretam germes, resistentes ou não, no meio ambiente, onde se misturam com os antibióticos e com as bactérias criadas naturalmente.

Se a esta mistura forem acrescentados produtos antibacterianos, como os desinfetantes e os metais pesados que são tóxicos para os germes, surgem as condições ideais para desenvolver bactérias resistentes aos medicamentos, em locais onde os humanos estarão em contato com elas.

"Se observarmos o sistema fluvial, vê-se um forte aumento da resistência nos centros de tratamento das águas residuais associada a um certo tipo de utilização da terra, como os pastos, por exemplo", indicou Gaze. "Analisando as águas costeiras onde se pode estar altamente exposto ao meio ambiente, sabemos que podemos contabilizar aqui um número muito alto de bactérias resistentes", acrescentou.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.