Qualidade de vida

Pessoas com epilepsia podem conviver bem com a doença

Paciente e especialista contam a importância da conscientização para melhor relação com a enfermidade

09:00 · 10.10.2017
mulher sorrindo
Pessoas com epilepsia podem e devem ter uma vida normal ( Foto: Divulgação )

A epilepsia é a doença neurológica mais comum do mundo, acometendo cerca de 50 milhões de pessoas, de acordo com Organização Mundial de Saúde (OMS). Ainda assim, os pacientes enfrentam diariamente o preconceito, que se origina, principalmente, da desinformação por parte da maioria da sociedade.

Eduardo Caminada Júnior, um dos nomes na luta pela conscientização sobre a epilepsia no país, foi diagnosticado aos 3 anos de idade e com o tempo aprendeu a conviver bem com a doença e os estigmas provenientes dela. Atuando como Diretor do Purple Day Brasil (Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia) e membro da diretoria da Associação Brasileira de Epilepsia (ABE), ele fala da importância de dar mais voz a quem passa pela mesma condição.

“Como toda doença, existem sim desafios a serem enfrentados para o tratamento e estabilidade do quadro, mas o preconceito não deveria estar entre eles”, conta Caminada.

Eduardo elencou cinco pontos que merecem destaque quando se trata da epilepsia e da falta de conhecimento. Como complemento clínico, a Dra. Maria Luiza Manreza, neurologista pela Universidade de São Paulo (USP), aponta aspectos importantes:

Não é uma doença transmissível

“É comum que as pessoas especulem a transmissão pela saliva, por exemplo, que é produzida em excesso durante uma crise tônico-clônica generalizada, aquela na qual a  pessoa pode perder a consciência e cair. No entanto, trata-se de uma doença neurológica, que não é transmitida pelo contato”, explica a Dra. Maria Luiza.

A epilepsia não afeta a cognição 

Essa é não é uma doença mental, mas neurológica, que não impede qualquer faculdade mental.

Existem diferentes manifestações da doença

A epilepsia se manifesta de formas distintas em cada paciente. “Alguns exemplos são as crises de ausência, caracterizada por um “desligamento”, em que o paciente fica com o olhar fixo e perde o contato com o meio por alguns segundos, voltando depois como se nada tivesse ocorrido, e as crises focais, quando comprometem áreas mais restritas do cérebro”, diz a especialista.

Não é possível engolir a própria língua

 “Essa é uma das constatações que mais escuto”, conta Eduardo. Biologicamente, não é possível engasgar com a própria língua, o que não deve ser uma preocupação frente a uma convulsão. No entanto, é possível engasgar com a saliva, por exemplo, e por isso é necessário virar o paciente de lado, afastar objetos e esperar a crise passar.

Vida normal

Pessoas com epilepsia podem e devem ter uma vida normal. “Existem tratamentos diversos para a epilepsia, através de fármacos, dietas e até mesmo cirurgias, que estabilizam a doença e evitam crises”, pontua a Dra. Maria Luiza. “Sigo uma vida normal, tenho uma filha saudável, trabalho e sou feliz, mas isso só aconteceu depois de um processo longo e necessário de compreensão da minha doença, que envolveu falar sobre ela também”, finaliza Caminada.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.